1.1 ›

MENSAGEM DO PRESIDENTE

Fazer o balanço do ano que passou é sempre
um bom exercício que todos os gestores devem efetuar, independentemente da dimensão
ou complexidade das suas responsabilidades.

 

Começaria por recordar, a todos os que acompanham a nossa empresa, que um ano sem qualquer falha relevante nos serviços integrados nas concessões nacionais de transporte de energia é um bom ano para a REN.

Todos os nossos colaboradores compreendem bem esta prioridade e têm-na como principal objetivo.

Sob a perspetiva operacional, 2015 foi um período em que correspondemos de forma eficiente e competente a todas as solicitações no domínio da gestão de projetos novos, da manutenção e na resposta a situações de emergência. Na generalidade, e em particular na área da gestão de sistema de gás e eletricidade, cumprimos integralmente as nossas responsabilidades nacionais e internacionais, dentro de padrões de qualidade e eficiência que nos colocam ao nível dos melhores operadores de transmissão em termos internacionais. A REN é reconhecida entre os seus pares pela sua competência, e este ano que passou não foi exceção.

Num ano caraterizado pela escassez de água e vento, o contributo das energias renováveis foi inferior ao de 2014. Como consequência, houve maior recurso a combustíveis fósseis e o consumo de gás natural para produção de eletricidade registou um crescimento de 242%, o que levou a uma maior utilização das nossas infraestruturas de transporte de gás.

Mas a nossa atividade não se resume às operações, e não sendo exaustivo, gostaria de realçar alguns dos eventos mais importantes que, ao longo deste relatório, iremos desenvolver com mais detalhe:

Rating Financeiro – a consistência dos resultados da empresa e a excelência do nosso desempenho foram reconhecidos internacionalmente, fazendo da REN a única empresa portuguesa em 2015 com um rating de investimento, dado pelas três principais agências de notação mundiais (Standard & Poor’s, Moody’s e Fitch).

Certificação a REN – Rede Eléctrica Nacional, S.A.e a REN – Gasodutos, S.A. foram certificadas pela ERSE, enquanto operador da rede nacional de transporte de eletricidade e operador da rede nacional de transporte de gás natural, em regime de separação completa jurídica e patrimonial (full ownership unbundling).

Projetos PIC aprovados – três projetos de desenvolvimento da Rede de Transporte de Eletricidade e de Gás Natural da REN foram reconfirmados como Projetos de Interesse Comum (PIC) pela Comissão Europeia (CE). Na área do gás natural, o projeto da 3ª Interligação entre Portugal e Espanha, e na área da eletricidade os dois projetos inserem-se nas categorias de desenvolvimento do mercado europeu de energia e integração de energias renováveis. Estes projetos serão desenvolvidos caso venham a obter os pareceres positivos das entidades públicas competentes, necessários ao seu desenvolvimento.

Cavernas de armazenagem de gás natural – com a conclusão da aquisição desta concessão à Galp Energia, a REN passou a deter a totalidade das infraestruturas de armazenamento subterrâneo de gás natural atualmente em exploração em território nacional.

 

Em 2015, o resultado líquido da REN registou um crescimento de cerca de 3% relativamente ao ano anterior. Como fatores relevantes e extraordinários deste exercício, tivemos como contributos positivos a baixa de custos de financiamento e a venda de uma participação financeira na Enagás. De forma negativa, fomos afetados pela manutenção da Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE).

Durante este ano, mantivemos o nosso compromisso de apoiar as comunidades locais, tanto ao nível da preservação do ambiente, como ao nível do apoio social, promovendo a inovação e o desenvolvimento, através do trabalho do R&D Nester (parceria para a área de investigação e desenvolvimento entre a REN e o CEPRI do nosso acionista State Grid) e de iniciativas como o Prémio REN, que celebrou 20 anos de existência, e que premeia teses de mestrado na área da energia.

Em 2015 reiterámos o nosso continuado empenho na defesa dos princípios do Global Compact das Nações Unidas.

Promovemos e acreditamos num ambiente de trabalho motivador e desafiante para todos os colaboradores da REN. No quadro da integração e da igualdade de géneros, temos feito, ano após ano, um importante progresso e registamos uma evolução muito positiva.

Agradeço aos nossos colaboradores, ao Conselho de Administração e aos nossos acionistas o permanente apoio e estímulo para continuarmos o nosso trabalho, que é de vital importância para a nossa comunidade.

02 ›

ABORDAGEM

Este relatório agrega a informação necessária para dar resposta aos nossos compromissos e obrigações legais de reporte financeiro, bem como aos nossos compromissos de reporte de sustentabilidade e tem como objetivo fornecer informações transparentes sobre questões económicas, sociais e ambientais identificadas como mais relevantes para a empresa e para as suas partes interessadas, bem como práticas de governança corporativa e ética durante o ano de 2015. Desde a informação relativa a 2010 a REN integra o seu reporte financeiro e de sustentabilidade num único documento emitido anualmente.

As demonstrações financeiras consolidadas e individuais foram aprovadas pelo Conselho de Administração, na reunião de 17 de março de 2016. O restante conteúdo deste relatório foi genericamente também aprovado por este Conselho em 2016. É da opinião do Conselho de Administração que as informações constantes deste relatório refletem de forma verdadeira e apropriada a posição financeira do Grupo e das diversas empresas que o compõem e dão uma visão geral balanceada e ajustada à realidade, das suas políticas, organização, práticas e resultados operacionais nos domínios de sustentabilidade entendidos como mais relevantes, em conformidade com as Normas e Diretrizes de referência adotadas.

O conteúdo deste relatório é complementado com as seguintes informações de acesso público:

  • Brochura de sustentabilidade 2015
  • Website corporativo1

 

CONTEXTO DO REPORTE FINANCEIRO

As demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos livros e registos contabilísticos das empresas incluídas na consolidação (Nota 6), mantidos de acordo com as normas contabilísticas em vigor em Portugal, ajustados no processo de consolidação de modo a que as demonstrações financeiras consolidadas estejam de acordo com as Normas Internacionais de Relato Financeiro, tal como adotadas pela União Europeia, em vigor para exercícios económicos iniciados em 1 de janeiro de 2014. Devem entender-se como fazendo parte daquelas normas, quer as Normas Internacionais de Relato financeiro (IFRS – International Financial Reporting Standards) emitidas pelo International Accounting Standards Board (IASB), quer as Normas Internacionais de Contabilidade (IAS), emitidas pelo International Accounting Standards Committee (IASC) e respetivas interpretações – SIC e IFRIC, emitidas pelo International Financial Reporting Interpretation Committee (IFRIC) e Standard Interpretation Committee (SIC), que tenham sido adotadas na União Europeia.

As demonstrações financeiras individuais foram preparadas no quadro das disposições em vigor em Portugal, em conformidade com o Decreto-Lei nº 158/2009, de 13 de julho, de acordo com a estrutura conceptual, normas contabilísticas e de relato financeiro e normas interpretativas aplicáveis (princípios contabilísticos geralmente aceites em Portugal).

Para mais informação sobre os princípios e regras adotados no domínio da informação financeira, ver capítulo 6.

As contas foram auditadas pela Deloitte & Associados, SROC S.A.

 

CONTEXTO DO REPORTE DE SUSTENTABILIDADE

Este relatório, tal como os anteriores, foi elaborado de acordo com as diretrizes do GRI (Global Reporting Initiative), padrão internacional para o desenvolvimento de modelos de sustentabilidade, sendo adotada pela primeira vez a versão 4 (G4) destas diretrizes, e de acordo com a opção de conformidade «abrangente». Seguindo as orientações da GRI, foi feita uma análise dos temas materialmente relevantes que determinou o foco do relato nas questões de natureza social, ambiental e económica.

A REN respeita o compromisso, decorrente da adesão em 2005 à iniciativa United Nations Global Compact (UNGC), de fornecer informação sobre o progresso da implementação dos dez princípios relativos a direitos humanos, práticas laborais, proteção ambiental e anticorrupção. Este relatório constitui também o veículo para reportar essa informação, pelo que em anexo é apresentada a tabela de correspondência entre os conteúdos deste relatório e os referenciais GRI e UNGC. Mais informação sobre esta iniciativa UNGC pode ser consultada no sítio da internet da REN2.

A REN procura atender aos princípios da norma AA1000APS (inclusão, materialidade e relevância). Este relatório demostra igualmente o modo como esses princípios são incorporados na gestão dos nossos negócios, nomeadamente através da informação inserida no capítulo 5.

Para a verificação da informação de sustentabilidade deste relatório a REN contou com a verificação externa independente da PricewaterhouseCoopers Associados SROC, Lda. (PwC), de acordo com os princípios da norma ISAE 3000 (International Standard on Assurance Engagements 3000), considerando igualmente a norma AA1000AS (Accountability 1000 Assurance Standard – 2008), e com referência ao GRI G4 e à norma AA1000APS (Accountability Principles Standard – 2008), para um nível de garantia limitada de fiabilidade.

 

COBERTURA

Este relato abrange o desempenho financeiro e em matéria de sustentabilidade de todas as empresas do Grupo REN, de 1 de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2015.

 

TEMAS MATERIAIS

Em conformidade com os requisitos das diretrizes GRI G4, o presente relatório centra-se principalmente nas questões identificadas como relevantes resultantes da análise de materialidade. Em linha com as recomendações do GRI, a REN auscultou os seus stakeholders, e teve em consideração outros fatores externos e internos tais como referenciais de sustentabilidade e relatos de sustentabilidade de pares de onde se retirou os temas materialmente relevantes para efeitos de gestão de sustentabilidade que resultou numa nova estratégia de sustentabilidade para o período 2014-2016 assente em três pilares – económico, ambiental e social – e que estiveram na base da determinação dos temas de sustentabilidade entendidos como relevantes para efeitos deste relato.

Foram considerados como temas materiais a política ambiental/sistemas de gestão ambiental, a segurança, fiabilidade, qualidade e garantia de fornecimento, a higiene, saúde e segurança no trabalho, o impacto nas comunidades, a prevenção das alterações climáticas, e a gestão do capital humano e diversidade, acrescidos dos temas desempenho económico, respeito pelos direitos humanos – ferramentas de controlo e gestão da procura.

Mais informação sobre este processo está disponível no capítulo de sustentabilidade e na tabela GRI deste relatório, onde os temas materiais estão também devidamente identificados e desenvolvidos.

 

TEMAS MATERIAIS REN PARA EFEITOS DE REPORTE QUE NÃO CORRESPONDEM DIRETAMENTE A NENHUM DOS EIXOS PRIORITÁRIO DE ATUAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE DA REN, EMBORA POSSAM CRUZAR PARCIALMENTE COM ALGUNS DELES:

Desempenho económico

Respeito pelos direitos humanos – ferramentas de controlo

Gestão da procura

 

TEMAS MATERIAIS REN PARA EFEITOS DE GESTÃO (EIXOS PRIORITÁRIO DE ATUAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE DA REN):

Segurança, fiabilidade, qualidade e garantia de fornecimento

Gestão do capital humano e diversidade

Higiene, saúde e segurança no trabalho

Política ambiental/Sistemas de gestão ambiental

Prevenção das alterações climáticas

Impacto nas comunidades

 

TEMAS MATERIAIS REN PARA EFEITOS DE REPORTE DE SUSTENTABILIDADE:

Segurança, fiabilidade, qualidade e garantia de fornecimento

Gestão do capital humano e diversidade

Higiene, saúde e segurança no trabalho

Política ambiental/Sistemas de gestão ambiental

Prevenção das alterações climáticas

Impacto nas comunidades

Desempenho económico

Respeito pelos direitos humanos – ferramentas de controlo

Gestão da procura

 

CONTACTO

Para informações adicionais por favor contacte: sustentabilidade@ren.pt e ir@ren.pt.

INDICADORES FINANCEIROS

49,0TWh


CONSUMO ELECTRICIDADE

52,2TWh


CONSUMO GÁS NATURAL

INDICADORES SOCIAIS

620


COLABORADORES

18.644,4


HORAS DE FORMAÇÃO

INDICADORES AMBIENTAIS

77.000


ÁRVORES PLANTADAS

221


NINHOS DE CEGONHA TRANSFERIDOS

1,2 www.ren.pt 

3.1 ›

PERFIL

A REN TEM COMO ATIVIDADE PRINCIPAL A GESTÃO DE SISTEMAS DE TRANSPORTE DE ENERGIA, MARCANDO PRESENÇA NAS ÁREAS DA ELETRICIDADE E DO GÁS NATURAL.

 

Na Europa é um dos poucos operadores com esta característica:

  • na eletricidade, através do transporte em Muito Alta Tensão (MAT) e da Gestão Técnica Global (GTG) do sistema elétrico nacional, na medida em que a REN – Rede Eléctrica, S.A., sociedade detida integralmente pela REN, é titular da concessão de serviço público por 50 anos, situação que vigora desde 2007;
  • no gás natural, através do transporte em Alta Pressão (AT) e da GTG do sistema nacional de gás natural, da receção, armazenamento e regaseificação de gás natural liquefeito e do armazenamento subterrâneo de gás, a REN Gasodutos, S.A., a REN Atlântico – Terminal de GNL, S.A. e a REN Armazenagem, S.A. (respetivamente), sociedades do Grupo REN, são titulares de concessões de serviço público por 40 anos desde 2006.

A REN, através da REN Trading, S.A., promove a gestão da energia a adquirir a dois centros eletroprodutores, no âmbito de contratos de aquisição de energia que não foram objeto de cessação antecipada.

Desde 2002, a REN encontra-se também presente no setor das telecomunicações através da RENTELECOM – Comunicações, S.A., constituída com o propósito de explorar a capacidade excedentária das redes de telecomunicações, essenciais ao suporte do transporte de eletricidade e de gás natural.

Em outubro de 2010, o Estado Português atribuiu à Enondas – Energia das Ondas, S.A., sociedade detida integralmente pela REN, uma concessão para a produção de energia das ondas numa zona piloto a norte de São Pedro de Moel. A concessão tem um prazo de 45 anos e inclui a autorização para a implantação das infraestruturas de ligação à rede elétrica pública.

Um conjunto de funções de negócio do Grupo é executado pela REN Serviços, S.A. (REN Serviços), designadamente funções de apoio às concessões e de back-office. Para além destas ações de suporte, a REN Serviços funciona como extensão comercial da REN, prestando serviços de consultoria e/ou engenharia, dentro do setor energético, a terceiros.

SINES
Tanque de armazenagem 

PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS

Dando sequência ao acordo entre a República Portuguesa e o Reino da Espanha relativo à constituição de um mercado ibérico da energia elétrica, a REN detém:

a) uma participação de 40% no capital social do OMIP – Operador do Mercado Ibérico (Portugal), SGPS, S.A. (que por sua vez detém 50% do capital social do OMIP – Operador do Mercado Ibérico de Energia (Pólo Português), Sociedade Gestora de Mercado Regulamentado, S.G.M.R., S.A. (que por sua vez detém 50% do OMI CLEAR – Sociedade de Compensação de Mercados de Energia, S.G.C.C.C.C., S.A.) e 50% do OMI – Pólo Español S.A. (OMIE)); e

b) uma participação de 10% no capital social do OMEL – Operador del Mercado Ibérico de Energía, Polo Español, S.A., a sociedade de direito espanhol contraparte do OMIP – Operador do Mercado Ibérico (Portugal), SGPS, S.A. que detém ainda uma participação de 50% no capital social do MIBGAS, S.A.

 

Através destas participações no capital social do OMIP – Operador do Mercado Ibérico (Portugal), SGPS, S.A. e do OMEL – Operador del Mercado Ibérico de Energía, Polo Español, S.A. – cujas participadas OMIP – Operador do Mercado Ibérico de Energia (Pólo Português), Sociedade Gestora de Mercado Regulamentado, S.G.M.R., S.A. e OMI – Polo Español S.A. (OMIE) apoiam o mercado ibérico de eletricidade –, a REN promove o desenvolvimento do mercado da energia na Península Ibérica.

 

240,4 M€

INVESTIMENTO

Para além destas, a REN detém ainda outras participações acionistas relevantes em outras sociedades, nomeadamente, a participação detida na Coreso, S.A., sociedade para a Iniciativa de Coordenação de Segurança Regional (RSCI), que colabora com diversos TSO europeus e outros RSCI, onde a REN – Rede Eléctrica Nacional, S.A. passou a deter uma participação de 10% do capital social; na Hidroeléctrica de Cahora Bassa, S.A., onde a REN detém uma participação de 7,5%; na Red Eléctrica Corporación, S.A. onde a REN Serviços, S.A. detém uma participação de 1% do capital social; e na Medgrid SAS onde a REN detém uma participação de 8% do capital social.

3.585,8 M.

RAB MÉDIO

0,3%

VARIAÇÃO ANUAL DO CONSUMO DE ELETRICIDADE

15,3%

VARIAÇÃO DO CONSUMO DE GÁS NATURAL

4.1 ›

ENVOLVENTE

4.1.1 › ENVOLVENTE ECONÓMICA

ECONOMIA MUNDIAL1

A economia mundial segue o trajeto de recuperação em 2015, esperando-se um crescimento da atividade económica global de +3,1% (vs. +3,3% em 2014). Esta recuperação tem subjacentes diferentes ritmos de crescimento entre economias desenvolvidas e emergentes.

No caso das economias desenvolvidas, verifica-se uma ligeira melhoria do ritmo de crescimento, com uma previsão de +2,0% em 2015 vs. +1,8% em 2014. Para este desempenho contribui a melhoria verificada na União Europeia (+1,9% em 2015 vs. +1,4% em 2014), com especial foco na Zona Euro, cujo ritmo de crescimento se espera vir a atingir +1,6% em 2015 (vs. +0,9% em 2014). Apesar da aceleração verificada na maioria dos restantes países da União Europeia, estas performances são contrabalançadas com situações pontuais de desaceleração de crescimento económico, como é o caso do Reino Unido (+2,5% em 2015 vs. +2,9% em 2014). Fora da União Europeia, os Estados Unidos apresentam um ligeiro incremento na recuperação económica (+2,6% em 2015 vs. +2,4% em 2014), através de contributos sólidos da procura interna, investimento, despesa pública e melhorias continuadas no mercado laboral. No caso do Japão, após um ano de contração económica (-0,1% em 2014), verifica-se o regresso a um crescimento económico modesto (+0,7% em 2015), ainda que fortemente condicionado pela contração no consumo privado.

A melhoria verificada nas economias desenvolvidas não é ainda assim suficiente para compensar a quebra no ritmo de crescimento das economias emergentes (+3,9% em 2015 vs. +4,5% em 2014). Esta quebra é fortemente influenciada pela desaceleração do crescimento nos países asiáticos (+5,9% em 2015 vs. +6,3% em 2014, excluindo Japão). Contribuem igualmente para este efeito os casos de recessão da Rússia (-3,7% em 2015 vs. +0,6% em 2014), através do efeito combinado de sanções económicas e descida do preço do petróleo, a estagnação da América Latina (+0,4% em 2015 vs. +1,2% em 2014), com forte peso da recessão no Brasil (-2,6% em 2015 vs. +0,1% em 2014), e a desaceleração dos mercados da África Subsariana (+4,4% em 2015 vs. +4,9% em 2014).

 

ZONA EURO2

A recuperação económica iniciada em 2014 na Zona Euro reforça-se, em 2015, com um crescimento estimado de +1,6%, ainda assim abaixo da média da União Europeia e restantes economias desenvolvidas.

Na base do crescimento da Zona Euro estão fatores como o decréscimo de preço dos combustíveis fósseis, a desvalorização do euro e políticas monetárias expansionistas por parte do Banco Central Europeu. Assim, verificam-se aumentos significativos no ritmo de crescimento do consumo privado (+1,7% em 2015 vs. +0,8% em 2014) e investimento (+2,3% em 2015 vs. +1,3% em 2014), e um crescimento estável do consumo público (+1,0% em 2015 vs. +0,9% em 2014), cujo efeito agregado se traduz no contributo significativo da procura interna ao nível do crescimento do PIB (+1,4% em 2015). Já as importações crescem +5,4% em 2015 (vs. +4,5% em 2014) e as exportações +5,2% (vs. +4,1% em 2014), resultando num ligeiro contributo das exportações líquidas para o crescimento do PIB (+0,1%). Também o desemprego continua a tendência de descida, com 11,0% em 2015 vs. 11,6% em 2014.

 

TAXAS DE JURO3, 4 

Durante o ano de 2015, a taxa de referência do Banco Central Europeu mantem-se no mínimo histórico de +0,05%, valor instituído em setembro de 2014. As taxas Euribor continuam a sua trajetória descendente, tendo mesmo atingido valores negativos em algumas maturidades: a 31 de dezembro de 2015, as taxas Euribor para os prazos de 3, 6 e 12 meses atingiram -0,131% (vs. +0,078% no final de 2014), -0,040% (vs. +0,171%) e +0,060% (vs. +0,325%), respetivamente.

Por sua vez, a Reserva Federal dos Estados Unidos suportou-se nos sinais de melhoria do mercado norte-americano para rever em alta a Fed Funds Target Rate em dezembro de 2015. Assim, a taxa de referência aumenta para o intervalo 0,25%-0,5%, sendo que o anterior intervalo (0%-0,25%) se mantinha inalterado desde 2008.

ECONOMIA NACIONAL5

Em 2015, Portugal continua a melhorar o ritmo de recuperação económica verificado no ano anterior. Deste modo, espera-se um crescimento da economia nacional de +1,7% (vs. +0,9% em 2014). Na base deste crescimento está a aceleração do investimento (+5,6% em 2015 vs. +2,8% em 2014) e do consumo privado (+2,6% em 2015 vs. +2,2% em 2014), assim como uma inversão na evolução do consumo público (+ 0,5% em 2015 vs. -0,5% em 2014). Assim, verifica-se um contributo significativo da procura interna na taxa de crescimento do PIB, em torno dos +2,3%.

O impulso da procura interna traduz-se num aumento das importações, embora a ritmo ligeiramente inferior ao ano anterior (+6,7% em 2015 vs. +7,2% em 2014), enquanto as exportações aceleraram novamente o ritmo de crescimento (+5,3% em 2015 vs. +3,9% em 2014). O efeito combinado desta evolução reflete-se num contributo de -0,5% das exportações líquidas para a taxa de crescimento do PIB.

Ao nível das contas públicas, mantém-se o esforço de consolidação no sentido de reduzir o défice público abaixo do nível máximo permitido no Pacto de Estabilidade e Crescimento da União Europeia (3%). Deste modo, o défice esperado em 2015 situa-se nos 3,0% do PIB, manifestando uma redução face aos 4,5% verificados em 20141. Por seu lado, o peso da dívida pública no PIB deve inverter a tendência de subida, descendo de 130,2% em 2014 para 128,2% em 2015.

A taxa de desemprego mantém o seu sentido descendente, estimando-se uma quebra para 12,6% em 2015 vs. 14,1% em 2014. 

Fonte: Comissão Europeia: European Economic Forecast, Autumn 2015
2 Fonte: Comissão Europeia: European Economic Forecast, Autumn 2015 – Euro Zone
Fonte: Taxas de Referência ECB e FED (www.ecb.int; www.federalreserve.gov)

4 Fonte: European Money Markets Institute
Fonte: Comissão Europeia: European Economic Forecast, Autumn 2015 – Portugal; IGCP – Apresentação a Investidores – Janeiro 2016
Os défices de 4,5% em 2014 e 3,0% em 2015 excluem os efeitos extraordinários de capitalização dos bancos Novo Banco e Banif. Incluindo estes efeitos, o défice esperado é de 7,2% em 2014 e de 4,2% em 2015.

PORTUGAL CONTINUA A MELHORAR O RITMO DE RECUPERAÇÃO ECONÓMICA

+1,7%

CRESCIMENTO DA ECONOMIA MUNDIAL

+2,6%

CRESCIMENTO DO CONSUMO PRIVADO

05 ›

SUSTENTABILIDADE NA REN

VISÃO DE SUSTENTABILIDADE

A missão da REN passa por assegurar o fornecimento ininterrupto de energia a todo o país. Um compromisso que se tem vindo a tornar cada vez mais ambicioso, ao associar o desenvolvimento da empresa a um esforço contínuo de cidadania corporativa ativa, com um forte envolvimento com as comunidades em que estamos inseridos, tanto a nível social como ambiental. É com esta harmonia que acreditamos estar a contribuir para um mundo cada vez mais positivo.

 

A missão da REN passa por assegurar o fornecimento ininterrupto de energia a todo o país, contribuindo para melhorar a qualidade de vida dos portugueses.

Esta é uma tarefa que implica um esforço contínuo e dedicado. Nos dias de hoje, no entanto, o nosso compromisso vai além da nossa missão. Acreditamos no exercício de uma cidadania corporativa ativa, com um forte envolvimento com as comunidades em que estamos inseridos, tanto a nível social como ambiental. 

Assumir este compromisso implica que todas as atividades da REN sejam norteadas por princípios de sustentabilidade, obedecendo a critérios rigorosos e mensuráveis, respeitando os padrões de excelência que assumimos perante os portugueses, sem nunca perder de vista o impacto positivo que queremos ter sobre as comunidades e os ecossistemas junto dos quais trabalhamos.

PROMOÇÃO BEM-ESTAR INTERNO

Garantir um ambiente de trabalho seguro e capaz de desenvolver todas as potencialidades dos nossos colaboradores é uma prioridade para a REN. Valorizar o capital humano é a chave para o sucesso.

ENVOLVIMENTO E SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS

A REN está cada vez mais presente na vida das populações. Um envolvimento que, além de garantir melhores níveis de bem-estar, também reforça o papel das comunidades nas políticas da empresa.

PROTEÇÃO DO MEIO-AMBIENTE

Proteger a natureza é um dos principais compromissos da REN. Todas as políticas de sustentabilidade têm por base uma utilização mais racional dos recursos da empresa e a redução do impacte ambiental.

5.2 ›

PRINCIPAIS AÇÕES DESENVOLVIDAS

As ações desenvolvidas pela REN em 2015 estiveram alinhadas com os três pilares da nossa estratégia de sustentabilidade.

PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR INTERNO

189

COLABORADORES PARTICIPARAM EM AÇÕES DO PROGRAMA NÓS EM 2015

Relativamente ao eixo da promoção do bem-estar interno, o Programa NÓS desenvolveu ao longo de 2015, 30 iniciativas, em que participaram 189 colaboradores, no âmbito dos três eixos que o compõem, Equilíbrio, Igualdade e Inclusão. A REN manteve, ainda, a sua política de apoio à prática desportiva dos colaboradores, com apoios concedidos a várias modalidades, de que se destaca o Clube de Corrida REN que, em 2015, viu o número de inscritos aumentar 75 para os 77 colaboradores.

ENVOLVIMENTO E SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS

EDIÇÃO DO PRÉMIO AGIR DEDICADA AO ENVELHECIMENTO ATIVO

 

No eixo do envolvimento e satisfação das partes interessadas, foram várias as ações desenvolvidas ao longo de 2015. Entre outras, destaca-se a segunda edição do Prémio Agir da REN, uma iniciativa criada para apoiar projetos que dão resposta a problemas sociais concretos. Dedicado ao tema do envelhecimento ativo, recebemos 171 candidaturas de todo o país, mais 30% face à primeira edição. O primeiro lugar foi atribuído ao projeto Trupe Sénior, em Lisboa, seguido do projeto Idade XXL, de Ribeira de Fráguas, e do projeto Envelhecimento + Ativo, de Famalicão.

PROTEÇÃO DO MEIO-AMBIENTE

40%

DE VOLUNTÁRIOS PARTICIPARAM NO PROGRAMA SHARE

O Programa Share, o programa de voluntariado corporativo da REN, assenta em três eixos de atuação: educação, ambiente e apoio social. Foi no âmbito deste programa que os voluntários da REN participaram em iniciativas como o Dia do Desporto Adaptado, a Limpeza da Tapada de Mafra, os programas de empreendedorismo junto de jovens da Junior Achievement Portugal (http://www.japortugal.org), ou as iniciativas de combate ao abandono escolar promovidas pela EPIS (http://www.epis.pt). Em 2015 registou-se um aumento de cerca de 43% no número de colaboradores que participaram nas ações de voluntariado corporativo (107 colaboradores e 24 familiares). Registou-se ainda um incremento de 62% nas horas de voluntariado relativamente a 2014 (589 horas de colaboradores e 115 a familiares).

ENVOLVIMENTO E SATISFAÇÃO DAS PARTES INTERESSADAS

PRÉMIO REN

 

CELEBROU O SEU 2O.º ANIVERSÁRIO ESTE ANO

O Prémio REN, o galardão de cariz científico mais antigo de Portugal, que distingue as melhores teses de mestrado no âmbito da energia realizadas em estabelecimentos de ensino superior portugueses, celebrou este ano o seu 20º aniversário. Para além dos três primeiros prémios atribuídos a alunos da FEUP e da Universidade da Beira Interior, foram ainda entregues dois menções honrosas a estudantes do ISEL e da FEUP.

Ao longo de 2015 foram várias as instituições apoiadas pela REN, de que se destaca a primeira UMAD Oncológica (Unidades Móveis de Apoio ao Domicilio) – um projeto da Fundação do Gil com o IPO, que tem como objetivo prestar auxílio a crianças com doença crónica e suas famílias após o internamento hospitalar, assegurando o seu acompanhamento clínico e social no regresso a casa e à vida escolar. No âmbito da cultura, a REN apoiou o Museu Nacional de Arte Antiga em Lisboa, de que a REN é mecenas, e a Fundação de Serralves no Porto. Por fim, no âmbito do desporto, é de realçar o patrocínio ao Comité Olímpico de Portugal e à Equipa Olímpica Portuguesa, no âmbito do programa de preparação para os próximos Jogos Olímpicos, que se realizam em 2016, na cidade brasileira do Rio de Janeiro.

Uma nota ainda para o Projeto GestaoTransparente.org, que conta com a participação da REN, na qualidade de membro fundador. Esta é uma plataforma desenvolvida pelo ICCA (International Centre for Collective Action), em parceria com o UN Global Compact e os parceiros institucionais do centro, com o objetivo de unir esforços internacionais para combater a corrupção. No decorrer de 2015, esta plataforma online passou a disponibilizar a informação em inglês e espanhol, alargando assim o alcance do projeto.

PROTEÇÃO DO MEIO-AMBIENTE

HERÓIS DE TODA A ESPÉCIE

MOBILIZA ESCOLAS DO 1º CICLO
PARA A PROTEÇÃO DA  BIODIVERSIDADE EM PORTUGAL

Relativamente à proteção do meio ambiente, destaque para o lançamento do projeto educativo Heróis de Toda a Espécie. Esta iniciativa de caráter pedagógico, destinada a crianças do 3º e 4º anos do 1º ciclo do ensino de todo o país, pretende sensibilizar as comunidades para a proteção da biodiversidade, preservação da floresta portuguesa e conservação das espécies animais e vegetais ameaçadas ou em vias de extinção.

É ainda de referir a parceria com a LIFE Elia para o Sul da Europa, no âmbito da qual a REN contribuirá com a partilha de melhores práticas para a preservação dos ecossistemas mediterrânicos com a sua experiência de gestão deste tipo de vegetação. O acordo pretende ainda promover e implementar a criação de corredores verdes em áreas florestais atravessadas pela REN.

Ainda em 2015, a REN, juntamente com a Fundação para a Ciência e Tecnologia e a Universidade do Porto, criou uma Cátedra em Biodiversidade assente em três pilares: monitorização, minimização e compensação de impactes; ecologia populacional; e cidadania na ciência.

5.3 ›

GESTÃO E DESEMPENHO

5.3.1 › SOCIAIS

No âmbito do eixo da estratégia da sustentabilidade da REN que diz respeito ao bem-estar interno, são muitos os indicadores recolhidos ao longo do ano de 2015 que permitem aferir o impacto das medidas tomadas neste sentido.

GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DO CAPITAL HUMANO

O ano de 2015 centrou-se na implementação do novo ACT, que veio criar um sistema único de relações coletivas de trabalho para a generalidade dos colaboradores, com uniformização de políticas de recursos humanos decisivas para a criação de uma cultura única de grupo. Complementarmente, foi desenvolvido um conjunto de regulamentos internos em diferentes matérias, determinantes para a implementação consolidada das práticas integradas e transversais. Este foi um passo crítico para o aumento da percepção de equidade interna, de transversalidade, e para o alinhamento da gestão de recursos humanos do Grupo REN com as atuais e futuras necessidades de negócio.


Os programas e iniciativas desenvolvidos em 2015 centraram-se nesta consolidação da estratégia de recursos humanos, desenvolvida nos últimos anos, de criação de uma cultura única:

  • Continuação do alinhamento e ajustamento organizacional, potenciando a adaptação às exigências do atual e futuro negócio da REN e a criação de novas oportunidades
  • Continuação dos programas de desenvolvimento e reconhecimento do talento e desempenho, tendo em consideração as necessidades especificas do negócio e as melhores práticas de mercado
  • Início de estruturação de um programa de desenvolvimento integrado dos diferentes grupos de colaboradores, potenciando a sua integração, adequação, desenvolvimento e progressão
  • Continuação do desenvolvimento de programas de motivação e sustentabilidade do clima organizacional, bem como, de aproximação à comunidade, com a promoção de iniciativas no âmbito de vetores como equilíbrio, igualdade e inclusão, com elevado impacto e reconhecimento
  • Desenvolvimento e implementação de um programa de benefícios sociais flexíveis, permitindo a adequação dos benefícios oferecidos a cada etapa da vida, com elevado reconhecimento do seu valor por parte dos colaboradores
  • Continuação do reconhecimento do mérito organizacional e individual, de forma sustentada.


Os diferentes programas e iniciativas possibilitaram a consolidação da imagem externa da REN em matéria de recursos humanos, tendo alcançado o reconhecimento externo com a atribuição de diversos prémios de referência – Melhor Política de Responsabilidade Social e Promoção do Bem-Estar” (1º lugar, Masters do Capital Humano – Grupo IFE), Prémio Healthy Workplaces (2º lugar, Ordem dos Psicólogos e Autoridade para as Condições de Trabalho) e Prémio APG Empresa (1º lugar, Associação Portuguesa de Gestão de Pessoas).

620

Número de colaboradores

 

CARATERIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS

No final de 2015 o número de colaboradores assinalou uma redução de 3,3% face a 2014. A idade média e antiguidade média mantiveram-se estáveis nos últimos quatro anos, como consequência do esforço de rejuvenescimento da estrutura do Grupo REN.

NÚMERO DE COLABORADORES

‘13

‘14

‘15

COLABORADORES A TERMO E SEM TERMO 

671 

640

620
ESTAGIÁRIOS PROFISSIONAIS 5 1 -
TOTAL    676 641 620

 

'15   

FEMININO

MASCULINO

TOTAL

QUADRO PERMANENTE

146

463

609

CONTRATOS A TERMO (CERTO, INCERTO E C SERVIÇO)

4 7 11

ESTAGIÁRIOS PROFISSIONAIS

0 0 0
TOTAL

150

470

620

 

'13

'14

'15

IDADE MÉDIA 44,4 44,3 44,3
ANTIGUIDADE MÉDIA 16,8 16,7 16,5

 

NÚMERO DE COLABORADORES

'13

'14

'15

EFETIVOS  651 627   609
CONTRATO A TERMO  20 13 11
ESTAGIÁRIOS  5  1  0
TOTAL 676 641 620


A política de contratação da REN, bem como a consistência e maturidade da atividade, continua a refletir-se no tipo de relação contratual, sendo que a maioria dos colaboradores da REN são efetivos.

TAXA DE ROTATIVIDADE

'13

'14

'15

HOMENS

9,1%

6,2%

5,3%

MULHERES

2,4%

0,3%

1,3%

TOTAL

11,5%

6,5%

6,6%

TAXA DE ROTATIVIDADE POR FAIXA ETÁRIA

'13

'14

'15

ATÉ 30 ANOS

1,4%

0,3%

 0,6%

DE 30 A 50 ANOS

2,3%

0,3%  0,8%

ACIMA DE 50 ANOS

7,8%

5,9% 5,2%
TOTAL 11,5% 6,5% 6,6%


A taxa de rotatividade em 2015 manteve-se nos mesmos níveis de 2014, tendo sido mantido o programa de pré-reformas iniciado em 2013. Esta taxa de rotatividade manteve-se menor nos grupos etários abaixo dos 50 anos, demonstrando a eficácia dos programas desenvolvidos no aumento da capacidade de retenção do talento da REN.

ENTRADAS

'13

'14

'15

HOMENS

 15 6 12
MULHERES  7 2 9
TOTAL 22 8  21

TAXA DE ENTRADAS

'13

'14

'15

HOMENS

2,1%

0,9% 1,9%
MULHERES

1,0%

0,3%

1,4%
TOTAL

3,1%

1,2%

3,3%

 

TAXA DE ENTRADAS POR FAIXA ETÁRIA

 '13

'14

'15

ATÉ 30 ANOS

 2,3%  0,8% 2,2%

DE 30 A 50 ANOS 

 0,9%    0,5%  1,1%

ACIMA DE 50 ANOS

0,0%  0,0%  0,0%
 TOTAL  3,1%   1,2%  3,3%

DIVERSIDADE

 '13

'14

'15

HOMENS

527 

492 470
MULHERES

149 

149 150
TOTAL 676 641 620
RÁCIO HOMEM / MULHER 22,0% 23,2% 24,2%

DIVERSIDADE (DIREÇÃO)

 '13

'14

'15

HOMENS

22

22 18
MULHERES

8

9 10
TOTAL 30 31 28
RÁCIO HOMEM / MULHER 26,7%  29,0% 35,7%

 

Em 2015, manteve-se a tendência de aumento do peso dos colaboradores do género feminino na REN. Esta tendência verifica-se quer observando a totalidade dos colaboradores quer em funções de direção, que regista uma subida de 9% nos últimos três anos. 

De facto, o compromisso assumido em 2014, com a adesão formal ao fórum IGEN – Fórum de Empresas para a Igualdade do Género, manteve-se em 2015 com a Empresa a desenvolver diversas iniciativas que irão permitir desenvolver uma cultura de reconhecimento da igualdade do género como pilar do desenvolvimento e sustentabilidade da REN.

GRUPO FUNCIONAL

'13

'14

'15

DIREÇÃO 

30

31

28

   Homens

22

22

18

   Mulheres

8

9

10

GESTÃO

48

48

46

   Homens

38

39

36

   Mulheres

10

9

10

COORDENAÇÃO

27

25

19

   Homens

25

23

15

   Mulheres

2

2

4

QUADROS SUPERIORES

307

297

317

   Homens

227

217

232

   Mulheres

80

80

85

OPERACIONAIS / ADMINISTRATIVOS

264

240

210

   Homens

215

191

169

   Mulheres

49

49

41

Total

676

641

620

GRUPO FUNCIONAL

'13

'14

'15

DIREÇÃO

30

31

28

   >50

16

15

12

   30-50

14

16

16

   <30

0

0

0

GESTÃO

48

48

46

   >50

18

17

12

   30-50

29

31

34

   <30

1

0

0

COORDENAÇÃO

27

25

19

   >50

10

9

14

   30-50

17

16

5

   <30

0

0

0

QUADROS SUPERIORES

307

297

317

   >50

68

65

61

   30-50

196

193

218

   <30

43

39

38

OPERACIONAIS / ADMINISTRATIVOS

264

240

210

   >50

132

116

101

   30-50

103

98

88

   <30

29

26

21

Total

676

641

620

A estrutura organizacional da REN tem vindo progressivamente a ser alinhada com as novas necessidades e os desafios de negócio, tendo-se verificado um aumento significativo do peso dos quadros superiores na organização.

Mantém-se a tendência de rejuvenescimento gradual das funções de direção e gestão intermédia, de forma a preparar a organização para os seus desafios futuros. Esta população está, em 2015, maioritariamente entre os 30 e 50 anos. De uma forma global, é de salientar a redução transversal da faixa etária acima dos 50 anos.

 

Qualificações académicas

'13

'14

'15

Doutoramento

1

2

2

   Homens

1

2

2

   Mulheres

0

0

0

Mestrado

78

81

94

   Homens

55

56

63

   Mulheres

23

25

31

Licenciatura

294

290

277

   Homens

211

209

195

   Mulheres

83

81

82

Bacharelato

22

17

14

   Homens

21

16

13

   Mulheres

1

1

1

Secundário

207

185

174

   Homens

179

157

149

   Mulheres

28

28

25

3º Ciclo

49

45

39

   Homens

38

34

30

   Mulheres

11

11

9

2º Ciclo

15

14

13

   Homens

12

11

11

   Mulheres

3

3

2

1º Ciclo

10

7

7

   Homens

10

7

7

   Mulheres

0

0

0

Total

676

641

620

Licenciados

58%

61%

62%

Não Licenciados

42%

39%

38%

 

É ainda de salientar que o rejuvenescimento da estrutura tem sido acompanhado de um aumento do nível de qualificações académicas.

 

DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL


PROGRAMA TRAINEE REN

O Programa Trainee REN é já um programa consolidado na capacitação da empresa com os melhores e mais adequados recursos humanos. Este é composto por estágios profissionais, académicos e de verão, tendo os estagiários sempre a oportunidade de desenvolver projetos específicos e que sejam criadores de valor para as áreas e formativos para os próprios.

No âmbito dos estágios profissionais em job rotation é lançado anualmente um desafio extra ao seu plano de estágio. Em 2015, este desafio focou-se num dos três eixos do Programa Nós, o eixo da igualdade. O tema foi abordado sob duas perspetivas: a igualdade do género e a parentalidade partilhada, tendo sido fomentada a discussão na REN através de três momentos distintos – uma exposição, um debate e um vídeo com testemunhos de colaboradores.

INDICADORES

'15

Estágios profissionais

 12

Estágios académicos

30

Estágios de verão

17

Total

59

PROGRAMA VIVA

O Programa VIVA da REN (Acolhimento e Integração) tem um enorme sucesso e um efeito muito positivo sobre os novos colaboradores que entram para a Empresa. Para além de dar a conhecer as diferentes áreas de negócio da Empresa, proporciona networking entre os novos e antigos colaboradores.

INDICADORES

'15

Nº sessões

1

Taxa de satisfação (%)

100%

A Formação REN constitui um fator crítico para o sucesso da empresa. Como processo de aprendizagem e desenvolvimento contínuo dos colaboradores, define-se anualmente o plano de formação, onde se incluem ações transversais, específicas, seminários, congressos e conferências.

Em termos transversais deu-se continuidade à realização de programas alinhados com os valores e com a estratégia organizacional da Empresa, dos quais destacamos o coaching e o mentoring, que tiveram como objetivo o desenvolvimento de competências individuais, fundamentais para assegurar a retenção e o desenvolvimento do talento na REN, proporcionando experiências que inspirem os colaboradores a fazer mais e melhor. Para além disso, e à semelhança dos anos anteriores, foram também realizados os Encontros REN com oradores de reconhecido mérito académico e profissional que partilharam a sua experiência sobre temas relevantes numa perspetiva de aprendizagem contínua e de transformação permanente.

Após uma aposta inicial do reforço da formação comportamental transversal, que potenciasse uma cultura e valores únicos, o ano de 2015 voltou a focarse na formação técnica. Este foco pretende desenvolver ações direcionadas às necessidades individuais de cada colaborador, fundamentais para um adequado desenvolvimento das responsabilidades e atingimento dos diferentes objetivos. Assim, este ano destaca-se o aumento da formação técnica nas áreas de negócio realizada através de formadores internos, o que permitiu o aumento da partilha, da atualização e do desenvolvimento de conhecimentos fundamentais para o negócio da empresa.

FORMAÇÃO

'13

'14

'15

n.º de horas de Formação

41.225,0

29.939,2

18.644,4

n.º de participantes

3.576

2.883

3.031

n.º de horas de formação por colaborador

58,7

45,4

29,3

n.º médio de colaboradores

702

659

637

ÁREAS DE FORMAÇÃO (Nº DE HORAS)

'13

'14

'15

Comportamental

8.634,5

1.541,9

544,4

Técnica

28.161,0

23.767,8

14.661,0

QAS

4.429,5

1.413,0

1.881,5

Gestão

0,0

3.216,5

1.557,5

Total

41.225,0

29.939,2

18.644,4

'13

'14

'15

Comportamental

1.409

340

125

Técnica

1.357

1.762

2.086

QAS

810

242

562

Gestão

0

539

258

Total

3.576

2.883

3.031

GRUPO FUNCIONAL (Nª DE HORAS)

'13

'14

'15

Direção

1.508,0

1.638,7

928,4

Gestão

2.685,9

3.106,3

1.134,6

Coordenação

1.405,0

1.397,7

555,0

Quadros superiores

25.370,9

16.493,4

10.436,4

Operacionais / administrativos

10.255,2

7.303,1

5.590,0

Total

41.225,0

29.939,2

18.644,4

PROGRAMA STAR – GESTÃO DO DESEMPENHO

2015 foi o ano de consolidação das alterações decorrentes da revisão do modelo de gestão de desempenho efetuada em 2014. Pela primeira vez, as avaliações de objetivos e de competências decorreram em dois ciclos distintos e a avaliação de competências seguiu um modelo 360º com a introdução das componentes avaliação de pares e subordinados.

A separação dos ciclos avaliativos e a introdução de uma apreciação qualitativa sobre o cumprimento dos objetivos demonstrou ser uma mais-valia, garantindo melhor diferenciação das equipas e uma avaliação mais ajustada à realidade dos desempenhos individuais.

INDICADORES

STAR '14

N.º de colaboradores abrangidos

655

% Avaliações concluídas

100%

Média – Avaliações finais competências

3,82

Média – Avaliações finais objetivos

3,96

% Prémios calculados face ao n.º avaliados

98%

 

99,2%

ADESÕES

 

Destaca-se o elevado nível de adesão dos trabalhadores ao novo ACT

DIÁLOGO SOCIAL E BENEFÍCIOS

O ano de 2015 ficou marcado pela entrada em vigor a 1 de fevereiro do novo acordo coletivo de trabalho da REN, o qual contou com a adesão da totalidade dos sindicatos representativos dos colaboradores da REN. Com a implementação deste novo ACT foi possível uniformizar a política de recursos humanos, bem como um conjunto de práticas e procedimentos que vieram contribuir para uma maior eficiência dos processos e maior transparência das relações de trabalho.

No âmbito da implementação do novo ACT, a empresa realizou um primeiro roadshow em finais do mês de janeiro em que apresentou o novo ACT a todos os colaboradores. No mês de julho realizou-se um segundo roadshow para apresentação do plano de benefícios flexível previsto no novo ACT.

Destaca-se neste processo o elevado nível de adesão dos trabalhadores ao novo ACT – 99,2% de adesões, contabilizando trabalhadores sindicalizados e não sindicalizados.

Em 2015, decorrente também do diálogo estabelecido com os sindicatos, foi estabelecido um incremento, na remuneração geral, de 1%, de aplicação transversal a todos os colaboradores.

Com a implementação do novo ACT foi também necessário rever toda a regulamentação interna existente no Grupo REN, tendo sido realizado um trabalho de atualização e ajuste de toda esta regulamentação, no qual estiveram envolvidos quer os delegados sindicais das empresas quer a Comissão de Trabalhadores. Deste trabalho resultaram o Manual de Políticas e Regulamentos de Recursos Humanos onde passaram a estar publicados todos os regulamentos internos em vigor, bem como um guia de perguntas e respostas sobre o ACT e Regulamentos. É de destacar o consenso final alcançado com a Comissão de Trabalhadores sobre estes documentos, também eles estruturantes à semelhança do ACT.

A taxa de sindicalização da REN é de 42,4%.

 

'13

'14

'15

% Colaboradores sindicalizados

46,3%

45,1%

42,4%

% Colaboradores ACT no ativo

54,6%

52,0%

99,2%

Colaboradores sindicalizados

313

289

263

Colaboradores ACT

369

333

615

A política de benefícios da REN, centrada no apoio aos seus colaboradores em áreas importantes da sua vida familiar e pessoal, integra um conjunto de apoios e benefícios adicionais no campo da saúde, da educação e da cultura, entre outros. 

O ano de 2015, no seguimento dos compromissos assumidos com o novo ACT, foi marcado pela implementação de um programa de benefícios flexível, o REN flex. Este programa, para além de ter reforçado a proteção social da família em áreas tão importantes como a reforma, saúde & riscos e educação, permite a cada colaborador aceder a um conjunto de benefícios e vantagens, adaptados a cada etapa da sua vida e com condições únicas.

BENEFÍCIOS

Colaboradores com Regime Transitório do anterior ACT 1

Colaboradores com Plano Flex 2

Colaboradores com Contrato Individual de Trabalho 3

Seguro de vida

 

X

X

Seguro de acidentes pessoais

X

X

 

Plano de Saúde

X

X

X

Plano de pensões

X

X

 

Eletricidade a preços reduzidos

X

 

 

Subsídio de estudo

X

 

 

Vouchers educação e infância

 

X

 

Passe social

 

X

 

SEGURANÇA E SAÚDE

A consciência de que um ambiente seguro e saudável constitui um fator determinante para a satisfação das várias partes interessadas conduz ao compromisso da REN numa gestão eficaz da segurança e saúde no trabalho. O sistema de gestão da segurança e saúde no trabalho está certificado por uma entidade acreditada e abrange a grande maioria das empresas do grupo. O seu principal objetivo é prevenir a ocorrência de acidentes e doenças profissionais que envolvam quer os trabalhadores da empresa, quer os trabalhadores dos empreiteiros e dos prestadores de serviços que com a REN colaboram. 


SEGURANÇA

A REN considera que o seu principal ativo são as pessoas, pelo que não considera aceitável a existência de riscos com um nível de severidade elevado para a saúde e segurança dos seus trabalhadores, bem como dos trabalhadores dos seus empreiteiros e prestadores de serviços, obrigandose a desenvolver ou promover todas as medidas de prevenção ou mitigação desses riscos que estejam ao seu alcance.

Com o objetivo de combater a sinistralidade são implementadas políticas, seguidos procedimentos de segurança e asseguradas as melhores práticas nesta matéria, nomeadamente através da realização de inúmeras ações de formação e de rigoroso acompanhamento das atividades desenvolvidas de forma a garantir um exigente controlo operacional. A análise dos acidentes ocorridos permite que se proceda a uma reavaliação dos riscos inerentes às atividades em que aqueles ocorreram.

Os dados apurados relativos a 2015 foram os seguintes:

Empresa

N.º médio* de trabalhadores

N.º de horas trabalhadas

N.º de acidentes mortais

N.º de acidentes
não mortais

N.º de
dias
perdidos

Género (M/F)

M

F

M

F

M

F

M

F

M

F

REN Eléctrica

211

28

382.282

46.258

0

0

7

0

260

0

REN Serviços

126

84

216.661

133.141

0

0

3

2

15

0

REN Gasodutos

84

11

142.730

18.990

0

0

2

0

0

0

REN Atlântico

28

3

52.225

4.001

0

0

0

0

0

0

REN Armazenagem

5

1

8.597

1.805

0

0

0

0

0

0

REN Trading

6

2

9.847

2.517

0

0

0

0

0

0

REN Telecom

3

1

5.392

863

0

0

0

0

0

0

Enondas

1

0

2.093

-

0

-

0

-

0

-

REN SGPS

21

21

39.614

36.246

0

0

0

0

0

0

RD Nester

13

3

21.956

3.287

0

0

0

0

0

0

Total REN

499

153

881.397

247.107

0

0

12

2

275

0

Total prestadores de serviços e empreiteiros

797

89

1.656.798

185.415

1

0

24

3

335

272

* Este é o número médio de trabalhadores no ano e não o número efetivo de trabalhadores a 31 de dezembro de 2015.

Em 2015 houve mais acidentes com trabalhadores da REN quando comparado com ano de 2014, mas menos dias perdidos. Consequentemente, o índice de gravidade melhorou, quando se compara a informação entre os dois anos.

Relativamente à sinistralidade relacionada com prestadores de serviços e empreiteiros, em 2015 houve mais acidentes e mais dias perdidos quando comparado com ano de 2014, com igual impacto no índice de gravidade.

 

ÍNDICES DE INCIDÊNCIA E GRAVIDADE – REN

ÍNDICE DE INCIDÊNCIA

Nota: As diferenças entre os indicadores da REN aqui apresentados relativos a 2013 e os reportados em relatórios anteriores são justificadas pelo facto de estarem agora incluídos dados do R&D Nester. O índice de gravidade total de 2015 foi de 243,7.

ÍNDICES DE INCIDÊNCIA E GRAVIDADE – PRESTADORES DE SERVIÇOS E EMPREITEIROS

ÍNDICE DE INCIDÊNCIA

Nota: As diferenças entre os indicadores dos prestadores de serviços e empreiteiros aqui apresentados relativos a 2013 e os reportados em relatórios anteriores são justificadas pelo facto de ter havido informação adicional apurada posteriormente. O índice de gravidade total de 2015 foi de 4.400,7.

Enquanto o índice de gravidade afecto à REN (IGMasculino – 312/ IGFeminino – 0) melhorou face a 2014, o índice de incidência (IIMasculino – 24/ IIFeminino – 13) teve um acréscimo motivado pelo aumento de acidentes (+7) e diminuição de número de trabalhadores.

Os índices de incidência (IIMasculino – 31/ IIFeminino – 34) e de gravidade (IGMasculino – 202 / IGFeminino – 1 467) afectos aos empreiteiros e prestadores de serviços pioraram, fruto de um aumento do número de acidentes (+14), do número de dias perdidos (+197) e da redução do número de trabalhadores.

Em 2015, aproximadamente 27% dos empreiteiros e prestadores de serviços da REN tinham sistemas de gestão de segurança implementados e certificados, segundo a norma OHSAS 18001/NP 4397.

Durante o ano de 2015, a REN promoveu a realização de ações de formação e sensibilização em segurança a todos (100%) dos seus empreiteiros e prestadores de serviços envolvendo um total 170 empresas.

Com o objetivo de cumprir a legislação específica que estipula a realização periódica de simulacros, determinar a eficácia dos procedimentos de resposta a emergências, e identificar desvios e oportunidades de melhoria, complementar a instrução e formação de todos os intervenientes e garantir o cumprimento das exigências normativas enquanto grupo de empresas certificadas, em 2015 foram realizados simulacros nas instalações do Carriço e do Terminal de GNL em Sines.

Mais informação sobre este tema pode ser consultada no sítio da internet da REN4.

 

SAÚDE

Todos os colaboradores efetivos da REN estão abrangidos por um plano de saúde.

Sendo a garantia de boas condições e saúde no trabalho uma constante preocupação da REN, esta proporciona a realização de exames e análises clínicas complementares no âmbito da medicina do trabalho, de forma a possibilitar uma ação preventiva ao nível da saúde dos seus colaboradores.

Salientam-se os aspetos mais relevantes em 2015:

  • Cumprimento do plano obrigatório de exames médicos
  • 390 atos auxiliares de diagnóstico e de enfermagem
  • 401 atos médicos
  • Visitas dos médicos aos vários locais de trabalho

 

 

'13

'14

'15

Taxa de absentismo

1,8%

2,6%

2,3%

PROMOÇÃO BEM-ESTAR INTERNO

O Programa NÓS REN visa três eixos de atuação: equilíbrio, igualdade e inclusão. O ano 2015 ficou marcado pelo reconhecimento externo tanto do programa em si, como dos impactos que este teve ao nível da melhoria da qualidade de vida e satisfação dos colaboradores. Neste seguimento, foram atribuídos à REN três prémios: “Melhor Política de Responsabilidade Social e Promoção do Bem-Estar” (1º lugar, Masters do Capital Humano – Grupo IFE), “Prémio Healthy Workplaces” (2º lugar, Ordem dos Psicólogos) e “Prémio APG Empresa” (1º lugar, APG).

PROMOÇÃO BEM-ESTAR INTERNO

30

NÚMERO DE INICIATIVAS

 

189

NÚMERO DE PARTICIPAÇÕES

Em resultado desta aposta tem-se verificado uma taxa de natalidade elevada na REN (25 nascimentos em 2015). Para além disso, e no seguimento das políticas adotadas, verifica-se que a taxa de retorno ao trabalho após licença de parentalidade é de 100%. Para além das iniciativas de continuidade que se mantiveram, como é o caso dos workshops, das consultas de psicologia e nutrição, do prémio de mérito escolar ou das ofertas casamento e de nascimento, entre outras, o ano 2015 ficou igualmente marcado pelo desenvolvimento do eixo igualdade. Esta aposta no tema da igualdade de género, surgiu não só da importância que o tema tem vindo a assumir na sociedade e nas empresas, como também do investimento que a REN tem feito através da implementação de medidas tendo em vista o crescimento da população feminina na Empresa. Neste caso destaca-se: a realização de uma exposição demonstrativa dos progressos da REN nesta matéria; a realização de um vídeo sobre a importância da parentalidade partilhada; e um debate dirigido ao público interno com o tema «NÓS estamos a mudar», que contou com a presença e participação de algumas das empresas membros do IGEN – Fórum Empresas para a Igualdade de Género (do qual a REN também faz parte).

PROMOÇÃO BEM-ESTAR INTERNO

89%

TAXA DE SATISFAÇÃO

Para além das iniciativas de continuidade que se mantiveram, como é o caso dos workshops, das consultas de psicologia e nutrição, do prémio de mérito escolar ou das ofertas casamento e de nascimento, entre outras, o ano 2015 ficou igualmente marcado pelo desenvolvimento do eixo igualdade. Esta aposta no tema da igualdade de género, surgiu não só da importância que o tema tem vindo a assumir na sociedade e nas empresas, como também do investimento que a REN tem feito através da implementação de medidas tendo em vista o crescimento da população feminina na Empresa. Neste caso destaca-se: a realização de uma exposição demonstrativa dos progressos da REN nesta matéria; a realização de um vídeo sobre a importância da parentalidade partilhada; e um debate dirigido ao público interno com o tema «NÓS estamos a mudar», que contou com a presença e participação de algumas das empresas membros do IGEN – Fórum Empresas para a Igualdade de Género (do qual a REN também faz parte).

 

Indicadores

'15

N.º de Iniciativas

30

N.º de participações

189

Taxa de satisfação

87%

RELACIONAMENTO COM A COMUNIDADE

Para que o eixo da estratégia de sustentabilidade da REN que remete para o envolvimento e satisfação das partes interessadas tenha consequências práticas, é crucial que a nossa relação com as comunidades com as quais mais interagimos seja pautada por critérios que defendam os seus interesses e caraterizada por ações que promovam o seu desenvolvimento sustentável.

 

Proprietários

Em 2015 foram contactados cerca de 14.500 proprietários de terrenos atravessados pelas nossas redes de transporte de eletricidade e de gás. Foram também adquiridas 20 propriedades para a instalação de outras infraestruturas elétricas e de gás natural. Com a inclusão de novos proprietários derivados das novas infraestruturas construídas, a base de dados de proprietários da REN continha, no final de 2015, cerca de 72 mil registos, o que, por si só, evidencia a importância deste grupo de partes interessadas da empresa, tendo em consideração a reduzida dimensão da área geográfica do país em comparação com a maior parte dos países europeus.

Há que referir que o estabelecimento de acordos compensatórios para o estabelecimento de servidões nem sempre é fácil, pelo que a REN vê-se obrigada, por vezes e em nome do interesse coletivo, a recorrer aos mecanismos de desbloqueio de impasses previstos na legislação, nomeadamente o processo de intimação, no caso das linhas elétricas, e de solicitação de apoio das autoridades públicas para avanço dos trabalhos, no caso dos gasodutos. Em 2015 a REN teve de recorrer a estes mecanismos apenas por duas vezes em projetos de linhas elétricas de transporte de eletricidade. A REN atua sempre procurando compatibilizar quer a instalação quer a exploração das suas infraestruturas com os legítimos interesses das outras partes interessadas.

Mais informação sobre este tema pode ser consultada no sítio da internet da REN5.

 

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO E TECNOLOGIA

A REN é uma empresa de referência a nível global, empenhada em ser um dos mais eficientes operadores europeus de transporte de energia e gás, construindo valor para os seus accionistas dentro de um quadro de desenvolvimento sustentável. 

Este objetivo assenta em pilares como o know-how interno e as competências tecnológicas, reconhecendo por isso a importância de uma contínua aposta em investigação, desenvolvimento e inovação (IDI). 

A este propósito, e paralelamente ao conjunto de atividades de I&D que se vêm realizando nas diferentes direções técnicas da REN, em 2013 foi criado o Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A – R&D Nester 6 para o desenvolvimento e gestão de projetos que visem soluções inovadoras a médio e longo prazo para o setor energético, nomeadamente no campo da gestão das redes de transporte de energia. 

No R&D Nester, as equipas de investigadores afetos ao desenvolvimento de novos projetos de I&D são constituídas por colaboradores oriundos da REN, do CEPRI – China Electric Power Research Institute (em representação da State Grid International Development) e do próprio Centro. 

É neste ambiente de trabalho multi-cultural proporcionado por este triângulo estratégico de entidades do setor, que atualmente estão em curso quatro projetos nas seguintes áreas: gestão de energias renováveis, simulação de sistemas de potência, tecnologia de redes inteligentes, mercados de energia e economia.

 

Investimento em I&D

  • Em 2014, o investimento reportado em atividades de I&D nas empresas da Rede Eléctrica Nacional, S.A. e REN Gasodutos, S.A. totalizou um montante de 616 mil euros7.
  • No Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A, o valor desse investimento, foi de 818 mil euros.  
  • Para 2015, de acordo com dados apurados até ao momento, estima-se um aumento deste investimento na ordem dos 14%.
  • Os valores reportados resultam de despesas relacionadas com atividades em I&D, decorrentes do desenvolvimento de vários projetos em curso, alguns em parceria com entidades externas nacionais e/ou internacionais, tais como instituições académicas e outras reconhecidas pelo sistema científico nacional e tecnológico.
  • No caso particular do R&D Nester, acrescem ainda outros custos associados com as infra-estruturas, aquisição de simuladores de sistemas de energia em tempo real, e outro equipamento e software laboratorial para a implementação de um laboratório iniciado no âmbito de dois projetos em curso, e que vem dotar a REN de equipamentos de simulação avançados para redes de eletricidade.

 

1 Conjunto de benefícios consagrados no ACT 2000 que transitaram para o novo ACT firmado no ano de 2015;
2 Os colaboradores aderentes do novo ACT beneficiam do programa de benefícios flexível;
3 Benefícios-tipo para contratos individuais de trabalho.
4 www.ren.pt – REN>Sustentabilidade>Partes Interessadas>Recursos Humanos>Segurança.
5 www.ren.pt – REN>Sustentabilidade>Partes Interessadas>Comunidade>Proprietários de terrenos e servidões
6 Resultado do acordo assinado entre a REN – Redes Energéticas Nacionais e o CEPRI – China Electric Power Research Institute (em representação da State Grid International Development).
7 Valores reportados ao Ministério da Educação e Ciencia (MEC), de acordo com os critérios de elegibilidade no âmbito dos inquéritos ao potencial cientifico nacional de resposta obrigatória.

Projetos de I&D Europeus

  • Como TSO, a REN tem presente a importância da participação em projetos europeus, nomeadamente no âmbito do 7º programa-quadro da Comissão Europeia (FP7), e destaca-se em 2015 a conclusão dos projeto E-Highway2050 (2012-2015)
  • ‘Close to zero emission by 2050 means from 100 to 400 billion € investment’
  • Lançado há três anos e meio, o projeto e-Highway2050 – Modular Development Plan of the Pan-European Transmission System 2050, parcialmente financiado pela Comissão Europeia, constitui um projeto inovador e de grande relevância para os TSO Europeus, cujo principal desafio foi a definição do tipo de infraestrutura que a Europa deverá ter em 2050
  • Para o feito, ao longo destes meses de trabalho, os 28 parceiros deste projeto, incluindo operadores de transporte de eletricidade, associações de energia, uma organização não governamental, instituições académicas e empresas, trabalharam no sentido de traçar um plano de implementação conjunto, no horizonte 2020-2050, de uma nova metodologia de planeamento para uma expansão modular e robusta da rede pan-europeia.
  • Coube à REN liderar um dos work packages, o WP4 – validação dos cenários de operação e implementação da rede projetada para 2050.
  • Foi neste âmbito que, em Maio de 2015, REN recebeu o Steering Committee deste projeto Europeu, que antecedeu a realização de uma conferência final em Bruxelas, em Novembro de 2015, para a apresentação pública dos principais resultados atingidos, que podem ser consultados no site oficial do projeto http://www.e-highway2050.eu/
  • Em fase final, encontra-se o Projeto iTESLA (2012-2015), coordenado pela RTE (França), que envolveu um total de 20 participantes, entre os quais a REN. Este projeto teve como objetivo desenvolver e validar uma caixa de ferramentas flexível que, com 2015 no horizonte, permita apoiar a futura operação de uma rede pan-europeia de transporte de eletricidade, promovendo maior coordenação e harmonização de procedimentos entre operadores de rede. http://www.itesla-project.eu/
  • O (2012-2017) – European Provision Of Regional Impacts Assessments on Seasonal and Decadal Timescales (http://www.euporias.eu/)
  • Trata-se de um projeto coordenado pela MET OFFICE (GB) e que conta com o envolvimento de 24 participantes entre elas a REN como stakeholder.
  • Tem por objetivo explorar o valor de previsões meteorológicas sazonais e por décadas na Europa. Através do acesso a esta informação, o projeto visa desenvolver metodologias para fazer uso de tais previsões, de uma forma adequada e a ser aplicável em diferentes setores fundamentais da economia nacional claramente expostos a fatores meteorológicos, embora com diferentes níveis de sensibilidade.

 

Projetos de I&D nacionais

A nível nacional e como habitualmente, durante o ano transato foram desenvolvidos projetos de I&D, transversais às várias direções técnicas da REN, quer na área de transporte de eletricidade, quer na área de transporte de gás. Mais recentemente, desde a sua criação em 2013, acresce ainda os projetos de I&D em curso no Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A. (R&D Nester).

Unidade de Negócio de Eletricidade 

Projeto Smart Dip – Projeto concluído no ano transato que decorreu em parceria com o IST, no âmbito de uma tese de doutoramento. Teve como objetivo desenvolver uma metodologia estocástica, capaz de caraterizar uma rede de transporte de energia elétrica quanto à frequência de cavas de tensão descritas em duração e amplitude.

Desempenho de linhas em serviço da RNT face a descargas atmosféricas – Projeto em curso que tem como objetivo estudar quais os fatores relevantes que influenciam as consequencias das descargas atmosféricas, de modo a determinar a existência de zonas concentradas da rede mais sensíveis em termos de descargas atmosféricas, procurando também concluir sobre eventuais soluções para minimizar o seu impacto ao nível da qualidade de serviço.

Unidade de Negócio de Gás

Melhoria substancial da eficiência energética de instalações de armazenamento subterrâneo de gás – Com este projeto, pretende-se investigar e simular a viabilidade técnica de um novo conceito a nível mundial, o Compressed Gas Energy Storage (CGES), avaliando as suas potencialidades no que se refere à promoção da eficiência energética em processos de extração, injeção e armazenamento subterrâneo de gás natural.

Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A. (R&D Nester)

Relativamente às atividades desenvolvidas durante o ano 2015 no R&D Nester, destaca-se significativos avanços nos quatro projetos em desenvolvimento, com resultados reconhecidos pela comunidade técnico-científica nomeadamente através de vários trabalhos científicos publicados e apresentados em conferências internacionais.

Despacho de Energia Renovável – Este projeto tem como principal objetivo, implementar novas ferramentas e melhorar as já existentes para serem utilizadas pelo operador do sistema, para gerir o alto nível de energia renovável intermitente como a energia eólica e a energia solar.

Um dos resultados já alcançados com o desenvolvimento deste projeto, foi a concepção de uma nova ferramenta para previsão de produção de energia solar fotovoltaica – Application_to_forecast_the_production_of_solar_energy

No âmbito das atividades que decorrem deste projeto, foram apresentados os seguintes artigos cientificos:

i. “Ensemble-Based Estimation of Wind Power Forecast Uncertainty”, EEM15–12th International conference on the European Energy Markey, 22-May-2015

ii. “Improvements in wind power forecast IO15”,- XVII Congresso da APDIO,7/8/9-Sep-2015

iii. “Wind power forecast uncertainty using dynamic combination of predictions”, DEMSEE15 -10th Jubilee International Conference on Deregulated Electricity Market Issues in South Eastern Europe, 24/25-Sep-2015

 

Substação do futuro – integrado no amplo domínio das denominadas Smart Grids, este projeto visa definir uma nova conceção dos sistemas de proteção, automação, controlo e monitorização que podem ser implementados nas redes de transporte de energia elétrica, através de uma investigação de prova de conceito que resultará num novo design e especificação técnica dos referidos sistemas para futuras subestações ou remodelações de existentes e, ainda, na constituição de uma plataforma de testes com capacidade de simulação e ensaio em tempo real.

No decurso das atividades de I&D já concretizadas, foi possível aprofundar o conhecimento científico e técnico conexo com o conceito de Subestação do Futuro, resultando na criação (i) de um documento com a proposta de uma Visão, associada aos “sistemas secundários” das subestações, (ii) de um Guia de Referência onde se identificaram os requisitos técnicos e funcionais de alto nível, com descritores e indicadores de desempenho, (iii) no estabelecimento da metodologia e arquitectura dos sistemas e (iv) na concretização da infraestrutura base da plataforma de ensaios e respetivos protocolos. Perspetiva-se a finalização do comissionamento e entrada em operação total da plataforma de ensaios, com o simulador em tempo-real como instrumento nuclear, e a realização do acervo de testes que visam demonstrar a arquitetura e especificações (elemento em fase de conclusão) das novas soluções dos Sistemas da Subestação do Futuro.

Comprovando a relevância dos milestones já alcançados, com o presente projeto, foram apresentados os seguintes artigos/comunicações:

i. “Future-proofing for new substation using IEC 61850 in China”, IEC 61850 Europe 2014 Conference ,

ii. “A Joint Research on the Substation of the Future Between Portugal and China”, APAP 2015 – 66th International conference on Advanced Power System Automation and Protection”;

 

Armazenamento de energia – tem como principal objetivo desenvolver uma metodologia de planeamento energético multi-atributo vocacionada para o planeamento de armazenamento de energia em redes de transporte. Esta metodologia tem como objetivo identificar as alternativas preferenciais de planeamento de rede, incluindo o armazenamento de energia distribuído na perspectiva dos TSO. Aliadas a esta metodologia pretendem-se desenvolver ferramentas de análise de redes e mercados que permitam simular diversos cenários e optimizar as soluções de planeamento, oferecendo uma base sólida à sua fundamentação.

No âmbito das atividades que decorrem deste projeto, foram apresentados os seguintes artigos científicos:

i. “Planning Energy Storage in Power Transmission Networks”, 2014 IEEE Green Energy and Systems Conference, 2014-11-24

ii. “Siting and Sizing Dispersed Energy Storage in Power Transmission Networks”, 2015 IEEE Green Energy and Systems Conference, 2015-11-09

 

Simulação, planeamento e operação de redes de energia elétrica – Com este projeto pretende-se implementar um laboratório que permite, entre outros, simulação em tempo real de redes de energia eléctrica. Uma componente inovadora é a capacidade de realizar co-simulação de redes de energia eléctrica e de telecomunicações bem como testes HIL (Hardware in the Loop). Desta forma o laboratório está apto para a realização de uma panóplia de aplicações até ao momento não existentes como seja (type test de dispositivos que possam interagir com a rede (ex: IED), avaliação de topologias de comunicações internas a uma subestação, etc) bem como outras como sejam análise em regime permanente e transitório com elevado poder de cálculo.

No projeto pretende-se igualmente desenvolver algoritmos de optimização combinatória para a resolução de problemas não convexos de natureza operacional e de planeamento com vista a uma mais segura integração de fontes de energia renovável. Um dos pontos analisados no projeto é o estudo do potencial existente na interface entre o Operador da Rede Transporte e o Operador da Rede de Distribuição.

Como resultado do trabalho desenvolvido foram apresentados os seguintes artigos: 

i. “Improving Power System Operation in the Presence of RES”, IO15- XVII Congresso da APDIO, 7/8/9-sep-15

ii. “TSOs and DSOs Collaboration: The Need for Data Exchange”, DEMSEE15- 10th Jubilee International Conference on Deregulated Electricity Market Issues in South Eastern Europe, 24/25-sep-15

 

Parcerias e colaboração com outras entidades na temática de I&D e inovação

  • No desenvolvimento de projetos de I&D, a REN e o R&D Nester, em linha com a sua estratégia nesta temática, continuam a estabelecer parcerias com instituições académicas e outras empresas de consultoria especializadas na área de engenharia.
  • Reforçar a rede de interacções com outros players do setor da energia, quer a nível nacional quer internacional, tem vindo a ser uma aposta continuada do R&D NESTER que atualmente integra redes de inovação europeias, como o Europeu energia Research Alliance (EERA), rede de área de investigação europeia SmartGrids – European technology platform for the electricity networks of the future e EnergyIN, e outras, como a rede colaborativa nacional da responsabilidade da COTEC Portugal – Associação Empresarial para a Inovação, com participação regular em eventos promovidos por esta associação, bem como noutras iniciativas.

Candidaturas ao SIFIDE

  • Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial
  • Durante o ano de 2015, foram apresentadas três candidaturas a este programa de incentivos fiscais, pelas empresas: Rede Eléctrica Nacional, S.A, REN Gasodutos, S.A. e Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A.
  • Estas candidaturas contemplam as despesas incorridas com atividades de I&D nestas empresas, durante o exercício fiscal de 2014, susceptíveis de serem elegíveis para efeitos da obtenção de benefícios fiscais ao abrigo do programa SIFIDE/SIFIDE II.

É de realçar o facto de, no ano transato, termos obtido uma taxa de aprovação de 100% das candidaturas apresentadas, que se traduz no reconhecimento, por parte da Comissão Certificadora do SIFIDE, da efetiva realização de atividades I&D na REN e no Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A.

ENERGIA ELÉTRICAREN ALCOCHETE

Certificação em IDI

  • No final de 2015, o Centro de Investigação em Energia REN-State Grid, S.A. (R&D Nester) adquiriu o estatuto de empresa certificada em investigação, desenvolvimento e inovação (IDI), de acordo com a Norma Portuguesa NP 4457:2007.
  • Desde o início da sua actividade que o R&D Nester reconheceu como factor estratégico a implementação de um sistema de gestão de IDI segundo este referencial, tendo por propósito aumentar a eficácia e o desempenho das suas atividades na procura de soluções inovadoras na área de sistemas de energia, bem como assegurar uma maior fluidez de informação em toda a Organização, melhorando o reconhecimento e a compreensão das responsabilidades e interrelações organizacionais.
  • Com enfoque numa cultura organizacional focada na inovação, esta norma de IDI (I&D +i) comtempla um conjunto de boas práticas no sentido de orientar a empresa a inovar na forma e envolvente em como desenvolve as suas atividades de I&D, tendo presente como resultados não só a inovação de produto e/ou processo como também a inovação a nível organizacional e inovação de marketing.
  • Para o efeito, o sistema de gestão de IDI implementado, centra-se em três processos organizacionais considerados chave na nossa área de actuação do R&D Nester: gestão de projetos de IDI, gestão das interfaces e do conhecimento, e gestão de ideias.
  • É de referir que a Norma de IDI NP4457 é compatível com as normas NP EN ISO 9001 (Sistema de Gestão da Qualidade), NP EN ISO 14001 (Sistema de Gestão Ambiental) e NP 4397 (Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho), o que permitiu a integração no atual sistema de gestão QAS em vigor na REN.

 

PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE TRABALHO INTERNACIONAIS

I – ENTSO

A REN tem continuado a cooperar e a participar nas atividades das associações europeias dos operadores de redes de transporte de eletricidade e de gás (ENTSO-E e ENTSO-G), com vista à prossecução dos objetivos relativos à implementação do terceiro pacote legislativo do setor energético da UE.

1.1 ENTSO-E (EUROPEAN NETWORK OF TRANSMISSION SYSTEM OPERATORS FOR ELECTRICITY):

No contexto do Regulamento (CE) 714/2009, a REN tem prosseguido a sua participação nas atividades da ENTSO-E, em particular pela presença assídua e participativa no System Development Committee, no System Operations Committee, no Market Committee, no Research and Development Committee, no Legal and Regulatory Group e ainda no European Affairs Expert Group. Refira-se, em particular, que a REN presidiu até ao fim de junho passado ao System Development Committee, concluindo assim um mandato iniciado em junho de 2013.

No que respeita aos códigos de rede, estando ultrapassadas as fases de comentário às linhas orientadoras que provêm da ACER e de redação dos referidos códigos, a REN tem agora contribuído para o processo de aprovação e implementação dos dez códigos de rede europeus nas áreas de planeamento, operação e mercados, através do acompanhamento dos processos de comitologia e da preparação da respetiva implementação nacional em colaboração com a DGEG e com a ERSE. Paralelamente tem também auxiliado a Comissão Europeia, através da ENTSO-E, na verificação da redação final destes diplomas.

Como realizações mais importantes de 2015 destacam-se: (i) a conclusão dos processos de comitologia dos Códigos de Alocação de Capacidades (FCA), de Requisitos para Geradores (RfG), de Ligações à Rede (DCC), de Ligações em HVDC (HVDC) e de Operação de Sistema (SOG); (ii) o início da précomitologia dos Códigos de Balanço na Eletricidade (EB) e de Emergência e Reposição de Sistema (ER); (iii) o início da implementação do Código de Alocação de Capacidades e Gestão de Congestionamentos (CACM NC).

 

1.2 ENTSO-G (EUROPEAN NETWORK OF TRANSMISSION SYSTEM OPERATORS FOR GAS):

A ENTSO-G continuou a sua intensa atividade durante o ano de 2015 através dos grupos de trabalho que integram as suas três áreas de negócio principais: market, system development e system operation

No contexto do Regulamento (CE) 715/2009, a REN tem prosseguido a sua participação nos seguintes órgãos e grupos da ENTSO-G: Assembleia Geral, Liaison Group, Legal Team, Audit Team, System Development – WG Investment, Market – WG Capacity, WG Balancing, WG Tariffs, System Operations – WG Transparency e WG Interoperability; e Kernel Group on Revision of Regulation on Security of Supply. 

Como realizações mais importantes de 2015 destacam-se: a publicação do Plano Decenal de Desenvolvimento das Redes de Gás (TYNDP), a celebração de um acordo com a EASEE-gas sobre o desenvolvimento de mensagens de troca de dados, o reenvio para a ACER do Código de Rede de Harmonização das Tarifas de Transmissão (NC TAR) e a assunção de novas responsabilidades de registo pela associação no quadro da Plataforma da Transparência e das obrigações de reporte de informação.

 

II – INSTITUIÇÕES EUROPEIAS

A REN está registada no registo de transparência europeu e nesse quadro intervém nas diferentes fases do processo legislativo europeu junto das distintas instituições da União. Com vista a estruturar o seu posicionamento junto destas instituições, a REN promoveu, no quadro do Fórum da Agenda Europeia, novos debates internos com vista à estruturação da mensagem estratégica da Empresa, em particular sobre os seguintes grandes temas: A framework strategy for a resilient energy union with a forward-looking climate change policy; Achieving the 10% electricity interconnection targets – Making Europe’s electricity grid fit for 2020; Proposal for a Regulation on the European Fund for Strategic Investments; The dynamics of a Liberalized European gas market; a Região do Mediterrâneo – desafios e oportunidades; O Papel das infraestruturas na “Energy Union”; e Perspetivas sobre a segurança de abastecimento de gás na EU. 

No quadro das iniciativas europeias políticas e legislativas de reforço das interligações, refira-se que a REN fez-se representar no High Level Group on Interconnectivity of the Iberian Peninsula, acompanhando estudos sobre projetos de interligações adicionais de eletricidade e de gás natural. 

Por fim, a REN assegurou também a sua presença e contributos no recém-criado Fórum Europeu das Infraestruturas sob o tema Regional cooperation in the South-West Europe and West Mediterranean for energy infrastructures investments – new opportunities for the EU single internal energy market.

 

III – GRUPOS DE TRABALHO PRESIDIDOS PELA COMISSÃO EUROPEIA

No âmbito da iniciativa legislativa destinada à implementação das infraestruturas energéticas prioritárias europeias, a REN prosseguiu com a sua participação ativa nos NSI West Electricity Cross Regional Group e NSI West Gas Cross Regional Group, sob a presidência da Comissão Europeia. No quadro desta participação, em 2015 a REN apresentou candidaturas à segunda lista de projetos de infraestruturas energéticas de interesse comum (PCI) – três projetos em cluster de reforço de ligações internas e outros dois de interligações de gás e eletricidade -, e ao financiamento disponibilizado pela UE através do Mecanismo Interligar a Europa.


IV – MED-TSO E FRIENDS OF THE SUPERGRID

No âmbito do contrato celebrado em fevereiro de 2015 entre a Med-TSO e a Comissão Europeia no qual está previsto o desenvolvimento entre 2015-2017 do Mediterranean Project foram realizadas várias atividades pelos comités técnicos de planning, regulation and institutions e international electricity exchanges e pelo Ad Hoc WG Market Studies com vista ao desenvolvimento do referido Projeto que primeiramente se destina a planear o reforço da segurança e integração dos sistemas elétricos desta região.

A REN, membro fundador desta associação de operadores da rede de transporte de eletricidade do Mediterrâneo, assegura a sua participação de forma ativa e próxima nesta associação pela vice-presidência da mesma, pela presidência do Comité Operational Activities Cordination e também pela representação em todos os comités técnicos de Med-TSO acima mencionados. Igualmente, deu ainda seguimento à sua participação ativa no Regional Group West.

Neste mesmo ano a REN deu continuidade à sua participação no Conselho de Orientação e na vice-presidência da Medgrid, naquele que foi o ano de pré-encerramento desta sociedade, uma vez que os estudos sobre as interligações Europa-Norte de África estão concluídos.

A Medgrid associa empresas de geração, transporte, distribuição e financiamento de infraestruturas elétricas da região do Mediterrâneo com o objetivo de promover o desenvolvimento das interligações entre o Norte, o Sul e o Este desta região.

Por fim, a REN deu também continuidade à sua participação na Friends of the Supergrid (FOSG), intervindo ativamente nos working groups desta associação que são responsáveis pela comunicação e pelas relações institucionais e regulatórias.

A FOSG consiste numa associação de empresas e organizações que têm um interesse mútuo em promover e influenciar a política e o enquadramento regulatório necessário à interligação europeia em grande escala – a Supergrid.

 

V – GIE (GAS INFRASTRUCTURE EUROPE), GTBI (GAS TRANSMISSION BENCHMARKING INITIATIVE), MARCOGAZ e FLORENCE SCHOOL OF REGULATION (FSR)

No GIE, associação representativa das empresas de infraestruturas de gás europeias junto das instituições europeias e de outros stakeholders, a REN tem assegurado a continuidade da sua participação, acompanhando as atividades e reuniões desta entidade e participando na conferência anual da mesma, que este ano versou sobre o futuro do abastecimento de gás na Europa, perspetivas inovadoras e o impacto da Energy Union no setor. 

A REN preside no triénio 2014-2016 ao GTBI – Gas Transmission Benchmarking Initiative, plataforma de dez operadores das redes de transporte de gás europeias que tem por fim a estruturação e divulgação entre os membros de indicadores de desempenho referentes ao transporte de gás natural. Esta divulgação destina-se a possibilitar a melhoria da eficiência operativa através da partilha de boas práticas no setor. No ano de 2015, a REN participou, no âmbito desta organização, no workshop dedicado à estrutura organizacional dos diferentes TSO participantes.

A REN é membro do Executive Board e da Assembleia Geral da MARCOGAZ, associação técnica da indústria gasista europeia, que desenvolve standards e partilha as melhores práticas em assuntos técnicos. Neste âmbito a, REN esteve presente na conferência EGATEC 2015.

Por último, a REN, associated donor da FSR, participou em formações promovidas por esta escola, cooperando com a mesma, patrocinando em eventos e acedendo aos estudos e informação de alto nível produzidos por esta instituição.

A REN tem, desta forma, dado continuidade ao reforço da sua presença nos diversos fora internacionais dos setores elétrico e do gás natural, nos quais intervém para a definição das respetivas políticas, para participação em estudos técnicos e ainda para participação nos grupos de interesse destas entidades, o que permite contribuir para o projeto estratégico de internacionalização da Empresa.

6.1 ›

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

ENERGIA PARA IMPULSIONAR O PAÍS

Com eficiência e garantia de um serviço sem falhas, a REN contribui para reduzir o peso da fatura energética ao consumidor final. Energia transportada de forma responsável para fazer o país crescer em conforto, qualidade de vida e desenvolvimento económico.

 

1. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DA POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

(Montantes expressos em milhares de Euros – mEuros)

 

 

31 DE DEZEMBRO

 

NOTAS

'15

'14

ATIVO

     
Não corrente      
Ativos fixos tangíveis 8 695 682
Goodwill 9 3.774 3.774
Ativos intangíveis 8 3.869.085 3.838.228
Participações financeiras em associadas e empreendimentos conjuntos 10 14.588 12.575
Ativos disponíveis para venda 12 e 13 154.862 144.443
Instrumentos financeiros derivados 12 e 16 10.157 21.970
Outros ativos financeiros 12 7 93.482
Clientes e outras contas a receber 12 e 14 133.676 86,182
Ativos por impostos diferidos 11 65.838 65.982
    4.252.682 4.267.320
Corrente      
Inventários 15 2.985 1.779
Clientes e outras contas a receber 12 e 14 263.766 459.785
Ativos disponíveis para venda 12 e 13 - 62.530
Imposto sobre o rendimento a receber 11 e 12 5.358 10.219
Outros ativos financeiros 12 1.510 8.864
Caixa e equivalentes de caixa 12 e 17 63.652 114.258
    337.271 657.435
Total do Ativo 7 4.589.953 4.924.755

CAPITAL PRÓPRIO

     
Capital e reservas atribuíveis aos detentores de capital      
Capital social 18 534.000 534.000
Ações próprias 18 (10.728) (10.728)
Reservas 19 325.619 315.621
Resultados acumulados   196.253 183.896
Outras variações no capital próprio   30 -
Resultado líquido consolidado do período atribuível a detentores de capital   116.115 112.777
Total capital próprio   1.161.289 1.135.567

PASSIVO

     
Não corrente      
Empréstimos obtidos 12 e 20 1.891.245 2.207.514
Obrigações de benefícios de reforma e outros 21 129.217 126.617
Instrumentos financeiros derivados 12 e 16 8.426 24.581
Provisões para outros riscos e encargos 22 5.717 4.947
Fornecedores e outras contas a pagar 23 332.232 328.228
Passivos por impostos diferidos 11 88.249 92.270
    2.455.086 2.784.157
Corrente      
Empréstimos obtidos 12 e 20 650.755 396.952
Provisões para outros riscos e encargos 22 1.171 2.369
Fornecedores e outras contas a pagar 23 315.735 605.710
Instrumentos financeiros derivados 12 e 16 5.918 -
    973.579 1.005.031
Total Passivo 7 3.428.664 3.789.188
Total do capital próprio e passivo   4.589.953 4.924.755

As notas anexas fazem parte integrante da demonstração consolidada da posição financeira em 31 de dezembro de 2015.                                                                                                             

O CONTABILISTA CERTIFICADO                                                                                 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

 

 

 

DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DOS RESULTADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

(Montantes expressos em milhares de Euros – mEuros)

 

 

Período findo em

 

Notas

31.12.2015

31.12.2014

Vendas 7 e 24 552 575
Prestações de serviços 7 e 24 536.544 570.275
Rendimentos de construção em ativos concessionados 7 e 25 240.002 163.186
Ganhos e perdas imputadas de associadas e empreendimentos conjuntos 10 768 421
Subsídios à exploração   - 10
Outros rendimentos operacionais 26 41.279 21.576
Total dos rendimentos operacionais   819.144 756.042
Custo das vendas   (562) (802)
Gastos de construção em ativos concessionados 25 (222.602) (142.794)
Fornecimentos e serviços externos 27 (42.636) (40.537)
Gastos com pessoal 28 (51.673) (53.049)
Depreciações e amortizações do exercício 8 (209.303) (202.628)
Reversões / (reforços) de provisões 22 302 (1.449)
Reversões / (perdas) por imparidade 13 e 14 (683) (28)
Outros gastos operacionais 29 (11.893) (11.795)
Total dos gastos operacionais   (539.049) (453.082)
Resultado operacional   280.095 302.960
Gastos de financiamento 30 (110.503) (131.735)
Rendimentos financeiros 30 6.339 9,001
Dividendos de empresas participadas 13 5.592 8.569
Resultado financeiro   (98.572) (114.165)
Resultado consolidado antes de impostos   181.523 188.795
Imposto sobre o rendimento 11 (39.963) (50.953)
Contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE) 35 (25.445) (25.065)
Resultado líquido consolidado do período   116.115 112.777
Atribuível a:      
Acionistas do grupo REN   116.115 112.777
Interesses não controlados   - -
Resultado líquido consolidado do período   116.115 112.777
Resultado por ação (Básico e Diluído) Euros 31 0,22 0,21

As notas anexas fazem parte integrante da demonstração consolidada dos resultados para o exercício findo em 31 de dezembro de 2015.                                                                                                             

O CONTABILISTA CERTIFICADO                                                                                 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

 

 

 

DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE RENDIMENTO INTEGRAL PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

(Montantes expressos em milhares de Euros – mEuros)

 

 

Período findo em

 

Notas

31.12.2015

31.12.2014

Resultado líquido consolidado do período   116.115 112.777
Outros ganhos e perdas reconhecidos nos capitais próprios:      
Itens que não serão reclassificados para resultados:      
Ganhos / (perdas) atuariais 21 (6.278) (2.652)
Efeito fiscal dos ganhos / (perdas) atuariais 11 1.821 (1.658)
Outras variações de capital próprio   30 -
Itens que poderão ser reclassificados para resultados:      
Reserva de cobertura (cobertura de fluxos de caixa) 16 13.302 (1.282)
Efeito fiscal da reserva de cobertura 11 e 16 (2.793) (198)
Reserva de justo valor (ativos financeiros disponíveis para venda) 13 11.559 49.987
Efeito fiscal da reserva de justo valor 11 e 13 (1.266) (10.560)
Alteração da taxa de imposto sobre itens reconhecidos diretamente no capital próprio   - 237
Ajustamentos de reclassificação      
Reserva de justo valor (ativos financeiros disponíveis para venda) 13 (20.083) -
Efeito fiscal da reserva de justo valor 11 e 13 3.966 -
Total do rendimento consolidado integral do período   116.372 146.652
Atribuível a:      
Acionistas   116.372 146.652
Interesses não controlados   - -
    116.372 146.652

As notas anexas fazem parte integrante da demonstração consolidada do rendimento integral para o exercício findo em 31 de dezembro de 2015.                                                                                                             

O CONTABILISTA CERTIFICADO                                                                                 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

 

 

 

DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DAS ALTERAÇÕES NO CAPITAL PRÓPRIO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

(Montantes expressos em milhares de Euros – mEuros)

Atribuível aos acionistas

   

Movimentos do exercício

Notas

Capital social

Ações próprias

Reserva legal

Reserva justo valor (Nota 13)

Reserva cobertura (Nota 16)

Outras reservas

Outras variações

Resultados acumulados

Resultado período

Interesses não controlados

Total

A 1 de janeiro de 2014   534.000 (10.728) 91.492 20.886 (17.989) 177.245 - 163.356 121.303 - 1.079.566
Total do rendimento integral
do período
  - - - 39.427 (1.480) 237 - (4.310) 112.777 - 146.652
Aplicação de resultados   - - 5.804 - - - - 115.500 (121.303) - -
Distribuição de dividendos 32 - - - - - - - (90.650) - - (90.650)
A 31 de dezembro de 2014   534.000 (10.728) 97.295 60.313 (19.468) 177.482 - 183.896 112.777 - 1.135.567
A 1 de janeiro de 2015   534.000 (10.728) 97.295 60.313 (19.468) 177.482 - 183.896 112.777 - 1.135.567
Total do rendimento integral
do período
  - - - (5.824) 10.509 - 30 (4.457) 116.115 - 116.372
Aplicação de resultados   - - 5.313 - - - - 107.464 (112.777) - -
Distribuição de dividendos 32 - - - - - - - (90.650) - - (90.650)
A 31 de dezembro de 2015   534.000 (10.728) 102.608 54.489 (8.960) 177.482 30 196.253 116.115 - 1.161.288

As notas anexas fazem parte integrante da demonstração consolidada das alterações no capital próprio para o exercício findo em 31 de dezembro de 2015.                                                                                                             

O CONTABILISTA CERTIFICADO                                                                                 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

 

 

 

DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

(Montantes expressos em milhares de Euros – mEuros)

 

 

Período findo em

 
 

Notas

31.12.2015

 

31.12.2014

 

Fluxos de caixa das atividades operacionais:

         
Recebimentos de clientes   1.951.951 a) 2.459.521 a)
Pagamentos a fornecedores   (1.514.879) a) (1.841.765) a)
Pagamentos ao pessoal   (62.508)   (62.993)  
Recebimento / (pagamento) do imposto sobre o rendimento   (39.229)   (98.159)  
Outros recebimentos / (pagamentos) relativos à atividade operacional   (95.865)   (87.190)  
Fluxos de caixa líquidos das atividades operacionais (1)   239.469   369.413  

Fluxos de caixa das atividades de investimento:

         
Recebimentos provenientes de:          
   Ativos disponíveis para venda 13 63.278   -  
   Ativos fixos tangíveis   3   -  
   Outros ativos financeiros 12 100.857   22.728  
   Subsídios ao investimento   10.380   1.154  
   Juros e rendimentos similares   174   7.510  
   Dividendos 13 5.513   8.422  
Pagamentos respeitantes a:          
   Ativos disponiveis para venda 13 (208)   (100)  
   Ativos fixos tangíveis   (2)   (8)  
   Outros ativos intangíveis - ativos de concessão   (225.414)   (127.510)  
Fluxos de caixa líquidos das atividades de investimento (2)   (45.419)   (87.806)  

Fluxos de caixa das atividades de financiamento:

         
Recebimentos provenientes de:          
   Empréstimos obtidos   3.043.500   4.580.500  
   Instrumentos financeiros derivados   15.007   -  
   Juros e rendimentos similares   -   73  
Pagamentos respeitantes a:          
   Empréstimos obtidos   (3.110.844)   (4.700.564)  
   Juros e gastos similares   (100,122)   (125.493)  
   Dividendos 32 (90.650)   (90.650)  
Fluxos de caixa líquidos das atividades de financiamento (3)   (243.110)   (336.134)  
Aumento líquido / (diminuição) de caixa e seus equivalentes (1)+(2)+(3)   (49.060)   (54.527)  
Caixa e equivalentes de caixa no início do período 17 112.599   167.126  
Caixa e equivalentes de caixa no final do período 17 63.539   112.599  

Detalhe da caixa e equivalentes de caixa

         
Descobertos bancários 17 (113)   (1.659)  
Depósitos bancários 17 63.652   114.258  
    63.539   112.599  

a) Estes montantes incluem os pagamentos e recebimentos relativos a atividades na qual a Empresa atua como agente, e cujos rendimentos e gastos são anulados na demonstração consolidada dos resultados.

As notas anexas fazem parte integrante da demonstração consolidada dos fluxos de caixa para o exercício findo em 31 de dezembro de 2015.                                                                                                             

O CONTABILISTA CERTIFICADO                                                                                 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO



 

Download PDF "Certificação Legal das Contas e Relatório de Auditoria Contas Consolidadas" >

 

7.1. ›

INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA, ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE ENVOLVENTE ECONÓMICA

ENERGIA PARA INVESTIR EM NOVOS MERCADOS

Mantendo Portugal como prioridade, a REN prossegue a sua estratégia de investimento internacional, procurando oportunidades de negócios e parcerias estratégicas em mercados estrangeiros, numa perspetiva de crescimento gradual e sustentado.

PARTE I

7.1.1 › A ESTRUTURA ACIONISTA

I. ESTRUTURA DE CAPITAL

I.1. Estrutura de capital (capital social, número de ações, distribuição do capital pelos acionistas, etc.), incluindo indicação das ações não admitidas à negociação, diferentes categorias de ações, direitos e deveres inerentes às mesmas e percentagem de capital que cada categoria representa (art. 245.º-A, n.º 1, al. a))

O capital social da REN – Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S.A. (REN ou sociedade), no valor de 534.000.000 euros, encontra-se integralmente realizado, sendo representado por 534.000.000 ações ordinárias, com o valor nominal de 1 euro, sob a forma de representação escritural, na modalidade nominativa.

As ações da REN são ações ordinárias, pelo que não conferem direitos especiais aos seus titulares, para além dos direitos gerais inerentes à qualidade de acionista, nos termos da lei.

A 31 de dezembro de 2015, estava admitida à negociação na Euronext Lisbon (Eurolist by Euronext) a totalidade das ações da REN, correspondentes ao código PTREL0AM0008, com exceção de 213.600.000 ações na titularidade da State Grid Europe Limited e da Mazoon B.V., correspondentes ao código PTRELZAM0007 (vide I.2).

 

ESTRUTURA ACIONISTA A 31 DE DEZEMBRO DE 2015


I.2. Restrições à transmissibilidade das ações, tais como cláusulas de consentimento para a alienação, ou limitações à titularidade de ações (art. 245.º-A, n.º 1, al. b))

Não existem limitações, nem foram pela REN tomadas medidas que prejudiquem a transmissibilidade das ações representativas do capital social da REN, as quais são livremente transacionáveis em mercado regulamentado, sem prejuízo do descrito neste secção.

No âmbito da segunda fase de reprivatização da REN foram estabelecidas limitações legais (lock up) aplicáveis à State Grid International Development Limited (133.500.000 ações adquiridas pela empresa-veículo State Grid Europe Limited – SGEL) e à Oman Oil Company (80.100.000 ações adquiridas pela empresa-veículo Mazoon B.V.), acionistas que adquiriram a sua participação no âmbito do processo de venda direta de referência concluído em 2012. Nos termos do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 106-B/2011, de 3 de novembro, e das Resoluções do Conselho de Ministros n.º 10/2012, de 19 de janeiro, e n.º 13/2012, de 8 de fevereiro, as ações adquiridas pela SGEL e pela Mazoon B.V. foram sujeitas a períodos de indisponibilidade. De acordo com os referidos diplomas e com os instrumentos jurídicos celebrados relativos às ações, os períodos de indisponibilidade encontram-se vigentes até às 00h00 do dia 25 de maio de 2016 (no caso da State Grid International Development Limited e da SGEL) e até às 23h59 do dia 24 de maio de 2016 (no caso da Oman Oil Company e da Mazoon B.V.), sendo que a indisponibilidade das ações em causa abarca quaisquer situações relativas à sua transmissão ou oneração (ainda que com eficácia futura, nomeadamente contratos-promessa e contratos de opção), parcial ou total, de forma direta ou indireta, bem como no caso de celebração de negócios jurídicos relativos às ações e que tenham por objeto a obrigação de exercício dos respetivos direitos de voto num certo sentido ou por interposta pessoa, com certas exceções definidas nos instrumentos jurídicos celebrados com as adquirentes.

No que respeita a limitações à titularidade de ações, nos termos legais, nenhuma entidade, incluindo entidades que exerçam atividade no respetivo setor em Portugal ou no estrangeiro, pode ser titular, direta ou indiretamente, de uma participação superior a 25% do capital social da REN1.

Estas limitações à titularidade de ações da REN foram introduzidas na sequência da transposição de diretivas comunitárias aplicáveis aos setores da eletricidade e do gás natural em matéria de separação jurídica e de propriedade entre o operador de transporte daqueles bens e os operadores que realizem as demais atividades em cada um dos setores, destinadas a promover a concorrência no mercado e a igualdade de acesso dos operadores às infraestruturas de transporte.

Neste âmbito, acresce que a ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (“ERSE”) emitiu, no dia 9 de setembro de 20142, decisão relativa à certificação da REN – Rede Eléctrica Nacional, S.A. e da REN – Gasodutos, S.A. (ambas detidas integralmente pela REN) como operadores da Rede Nacional de Transporte de Eletricidade e da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural («Decisão da ERSE»), respetivamente, em regime de separação completa jurídica e patrimonial (full ownership unbundling).

Nos termos da Decisão da ERSE, a certificação encontrava-se dependente do cumprimento de um conjunto de condições destinadas a garantir a independência daqueles operadores, incluindo, inter alia, (i) restrições ao exercício de direitos sociais relacionados com a assembleia geral da REN; (ii) restrições ao exercício de cargo no Conselho de Administração ou na Comissão de Auditoria da REN e dos operadores das redes de transporte; e (iii) a alteração dos Estatutos da REN, no sentido de dar cumprimento às restrições previstas em (i) e (ii).

  • As alterações aos Estatutos da REN com vista ao cumprimento da Decisão da ERSE foram aprovadas na reunião da Assembleia Geral anual de acionistas da REN que teve lugar no dia 17 de abril de 2015, tendo sido incluídas, relativamente ao exercício dos seus direitos sociais na Assembleia Geral da REN, as seguintes alterações: os acionistas que, direta ou indiretamente, exercerem controlo sobre uma empresa que exerça uma das atividades de entre a produção ou a comercialização de eletricidade ou gás natural estão inibidos de exercer direitos sociais na assembleia geral relativamente a quaisquer ações da Sociedade, salvo se a ERSE tiver reconhecido a não existência de risco de conflitos de interesses;
  • as pessoas que exerçam controlo ou direitos sobre empresas que exerçam qualquer das atividades de produção ou comercialização de eletricidade ou de gás natural não podem designar membros do conselho de administração ou o ROC, ou membros de órgãos que legalmente a representam, só por si ou por outros com quem esteja ligado por acordos parassociais, (i) salvo reconhecimento pela ERSE da não existência de risco de conflitos de interesses, devido ao facto, nomeadamente, de a respetiva actividade de produção ou de comercialização de electricidade e ou gás natural desse accionista ser exercida em localizações geográficas que não têm ligação ou interface, directa ou indirectamente com as redes portuguesas e (ii) desde que não se tenham verificado alterações quanto aos fundamentos ou circunstâncias objectivas que levaram a ERSE a reconhecer não existir risco de conflito de interesses com os operadores de rede de transporte portugueses.

Assim, as limitações à transmissibilidade e à titularidade de ações (assim como ao exercício dos seus direitos sociais) decorrem exclusivamente de imposições legais, ou regulamentares ou do cumprimento de decisões administrativas, que o Código de Governo das Sociedades da CMVM não pode ter a intenção de derrogar. Nesta sequência, a não adoção da recomendação I.4. do Código de Governo das Sociedades da CMVM encontra-se plenamente justificada.

No que respeita a limitações ao exercício de direitos de voto, vide ainda I.5 infra, acerca das limitações estatutárias também decorrentes do regime legal aplicável aos setores da eletricidade e do gás.


I.3. Número de ações próprias, percentagem de capital social correspondente e percentagem de direitos de voto a que corresponderiam as ações próprias (art. 245.º-A, n.º 1, al. a))

A REN possui 3.881.374 ações próprias, com o valor nominal de 10.728.000,00 euros, representativas de 0,73% do seu capital social. Estas ações corresponderiam a 0,73% dos direitos de voto.


I.4. Acordos significativos de que a sociedade seja parte e que entrem em vigor, sejam alterados ou cessem em caso de mudança de controlo da sociedade na sequência de uma oferta pública de aquisição, bem como os efeitos respetivos, salvo se, pela sua natureza, a divulgação dos mesmos for seriamente prejudicial para a sociedade, exceto se a sociedade for especificamente obrigada a divulgar essas informações por força de outros imperativos legais (art. 245.º-A, n.º 1, al. j))

A REN e as suas subsidiárias são parte em alguns contratos de financiamento e emissões de dívida que incluem cláusulas de alteração de controlo típicas neste tipo de transações (abrangendo, ainda que de forma não expressa, alterações de controlo em resultado de ofertas públicas de aquisição) e essenciais para a concretização de tais transações no respetivo contexto de mercado.

Em qualquer caso, a aplicação prática destas cláusulas é limitada, considerando as restrições legais à titularidade de ações da REN referidas em I.2.

Não existem outros acordos significativos de que a REN seja parte e que entrem em vigor, sejam alterados ou cessem, em caso de transição de controlo da sociedade ou na sequência de uma oferta pública de aquisição.

Em suma, a REN não adotou quaisquer medidas destinadas a exigir pagamentos ou a assunção de encargos pela sociedade em caso de transição de controlo ou de mudança da composição do Conselho de Administração e que se afigurem suscetíveis de prejudicar a livre transmissibilidade das ações e a livre apreciação pelos acionistas do desempenho dos titulares do Conselho de Administração, sendo cumprida a recomendação I.5 do Código de Governo das Sociedades da CMVM.


I.5. Regime a que se encontre sujeita a renovação ou revogação de medidas defensivas, em particular aquelas que prevejam a limitação do número de votos suscetíveis de detenção ou de exercício por um único acionista de forma individual ou em concertação com outros acionistas

As únicas disposições constantes do Contrato de Sociedade da REN que prevêem a limitação de votos suscetíveis de detenção ou de exercício por um único acionista ou por certos acionistas (e.g. que exerçam controlo sobre uma empresa que exerça atividades de produção ou comercialização de eletricidade ou gás natural), de forma individual ou em concertação com outros acionistas são as descritas em I.2 supra.

Não obstante, tais disposições decorrem de imposições legais e da decisão da ERSE, não visando limitar o exercício do direito de voto, mas antes assegurar a existência de um regime sancionador da violação do limite legal de titularidade de ações e a restrição legal a direitos de voto, respetivamente, pelo que a não adoção da recomendação I.3. do Código de Governo das Sociedades da CMVM se encontra plenamente justificada.Nesta sequência, não se encontra previsto no Contrato de Sociedade qualquer mecanismo de renovação ou revogação destas normas estatutárias, por a existência das mesmas se deverem ao cumprimento de imposições legais e administrativas, pelo que a não adoção da recomendação I.4. do Código de Governo das Sociedades da CMVM se encontra plenamente justificada.

Não existem quaisquer outras medidas defensivas.

I.6. Acordos parassociais que sejam do conhecimento da sociedade e possam conduzir a restrições em matéria de transmissão de valores mobiliários ou de direitos de voto (art. 245.º-A, n.º 1, al. g))

O Conselho de Administração não tem conhecimento da existência de acordos parassociais relativos à REN que possam conduzir a restrições em matéria de transmissão de valores mobiliários ou de exercício de direitos de voto.

 

II. PARTICIPAÇÕES SOCIAIS E OBRIGAÇÕES DETIDAS

II.7. Identificação das pessoas singulares ou coletivas que, direta ou indiretamente, são titulares de participações qualificadas (art. 245.º-A, n.º 1, als. c) e d) e art. 16.º), com indicação detalhada da percentagem de capital e de votos imputável e da fonte e causas de imputação

Considerando as comunicações efetuadas à sociedade, nos termos do disposto no artigo 447.º do Código das Sociedades Comerciais (CSC), no artigo 16.º do Código VM e no artigo 14.º do Regulamento da CMVM n.º 5/2008, por referência a 31 de dezembro de 2015, os acionistas que detinham participações qualificadas representativas de, pelo menos, 2% do capital social da REN, calculadas de acordo com o disposto no artigo 20.º do Código VM, eram os seguintes:

State Grid Corporation  of China

N.º de ações

% Capital social com direito de voto

Diretamente

0

0%

Através da State Grid Europe Limited (SGEL), dominada pela State Grid International Development Limited (SGID), a qual é dominada pela State Grid Corporation of China

133.500.000

25,0%

Total imputável

133.500.000

25,0%

Oman Oil Company SAOC

N.º de ações

% Capital social com direito de voto

Diretamente

0

0%

Através da Mazoon B.V.,
a qual é dominada pela Oman
Oil Company SAOC

80.100.000

15,0%

Total imputável

80.100.000

15,0%

Gestmin, SGPS, S.A. (Gestmin)3

N.º de ações

% Capital social com direito de voto

Diretamente

31.760.000

5,95%

Através de Manuel Carlos de Melo Champalimaud, enquanto acionista maioritário da Gestmin e presidente do Conselho de Administração

280.000

0,05%

Total imputável

32.040.000

6,00%

EDP – Energias de Portugal, S.A. (EDP)

N.º de ações

% Capital social com direito de voto

Diretamente

18.690.000

3,5%

Através da EDP Pension Fund,
a qual é dominada pela EDP

8.017.335

1,5%

Total imputável

26.707.335

5,0%

Red Eléctrica Corporación, S.A.

N.º de ações

% Capital social com direito de voto

Diretamente

26.700.000

5,0%

Total imputável

26.700.000

5,0%

Fidelidade Companhia de Seguros, S.A.4

N.º de ações

% Capital social 
com direito de voto

Diretamente

28.115.216

5,265%

Através da Via Directa
– Companhia de Seguros, S.A., a qual é dominada pela Fidelidade

95.816

0,018%

Através da Companhia Portuguesa de Resseguros, S.A., a qual é dominada pela Fidelidade

30.000

0,006%

Através da Fidelidade Assistência – Companhia de Seguros, S.A., a qual é dominada pelo acionista comum Longrun5

78.907.00

0,015%

Através da Multicare – Seguros
de Saúde, S.A., a qual é dominada pelo acionista comum Longrun6

50.726.00

0,009%

Total imputável

28.370.665

5,313%

 

II.8. Indicação sobre o número de ações e obrigações detidas por membros dos órgãos de administração e de fiscalização

Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 447.º do CSC, em particular o respetivo n.º 5, o número de ações detidas pelos membros dos órgãos de administração e de fiscalização da REN e pelas pessoas com estes relacionadas, nos termos do n.º 2 do referido artigo7, bem como todas as suas aquisições, onerações ou cessações de titularidade, por referência ao exercício de 2015, são como se segue:

Comissão de Auditoria

Aquisições (em 2015)

Onerações (em 2015)

Alienações (em 2015)

N.º ações a 31.12.2015

Manuel Ramos de Sousa Sebastião8

4.000

-

-

5.000

Gonçalo Gil Mata9

-

-

-

0 (zero)

Maria Estela Barbot10

-

-

-

0 (zero)

José Luís Alvim11

-

-

-

0 (zero)

José Frederico Jordão12

-

-

-

0 (zero)

Aníbal Santos
- indicado pela Parpública - Participações Públicas (SGPS), S.A.13

-

-

-

10.250

 

Conselho de Administração

Aquisições (em 2015)

Onerações (em 2015)

Alienações (em 2015)

N.º ações
 a 31.12.2015

Emílio Rui Vilar14

-

-

-

10.390

Gonçalo Morais Soares15

-

-

-

0 (zero)

João Faria Conceição16

-

-

-

500

Guangchao Zhu 
- em representação 
da SGID

-

-

-

133.500.00017

Mengrong Cheng18

-

-

-

0 (zero)

Longhua Jiang19

-

-

-

0 (zero)

Hilal Al-Kharusi20

-

-

-

0 (zero)

Rodrigo Costa21

-

-

-

0 (zero)

Manuel Champalimaud22

713.049

-

-

32.040.000

José Folgado Blanco 
- indicado pela Red Eléctrica Corporación, S.A.23

-

-

-

26.700.000

José Luís Arnaut24

7.107

-

-

7.587

Francisco João Oliveira25

-

-

26.700.000

0 (zero)

Omar Al Wahaibi26

 

-

-

-

0 (zero)

Jorge Manuel Magalhães Correia27

 

28.370.66528

 

-

-

28.370.665

 

Em 31 de dezembro de 2015, os membros dos órgãos de administração e de fiscalização da REN e as pessoas com estes relacionadas nos termos do n.º 2 do artigo 447.º do CSC não detinham quaisquer outras obrigações emitidas pela REN nem ações ou obrigações emitidas por sociedades com esta em relação de domínio ou de grupo, nem realizaram durante o ano de 2015 quaisquer outras transações relativamente àqueles valores mobiliários, em ambos os casos nos termos e para os efeitos do disposto no mencionado artigo 447.º


II.9 Poderes especiais do órgão de administração, nomeadamente no que respeita a deliberações de aumento do capital (art. 245.º-A, n.º 1, al. i), com indicação, quanto a estas, da data em que lhe foram atribuídos, prazo até ao qual aquela competência pode ser exercida, limite quantitativo máximo do aumento do capital social, montante já emitido ao abrigo da atribuição de poderes e modo de concretização dos poderes atribuídos

O Conselho de Administração tem as competências e poderes que lhe são conferidos pelo CSC e pelo Contrato de Sociedade29 (vide resumo destas competências e poderes em II.21), pelo que o órgão de administração não dispõe de poderes especiais.

Em particular no que respeita a deliberações de aumento de capital, salienta-se que o Contrato de Sociedade da REN não autoriza o Conselho de Administração a aumentar o capital social da sociedade.


II.10. Informação sobre a existência de relações significativas de natureza comercial entre os titulares de participações qualificadas e a sociedade

Nos termos do regulamento interno sobre apreciação e controlo de transações com partes relacionadas30 e prevenção de situações de conflito de interesses31, são consideradas transações significativas com partes relacionadas aquelas que:

a) consubstanciem uma compra e/ou venda de bens, uma prestação de serviços ou uma empreitada com um valor económico superior a 1 milhão de euros;

b) consubstanciem uma aquisição ou alienação de participações sociais;

c) impliquem novos empréstimos, financiamentos e subscrição de investimentos financeiros que representem um valor agregado anual de endividamento superior a 100 milhões de euros, salvo quando se trate da mera renovação de situações já existentes ou de operações desenvolvidas no quadro de condições contratuais pré-existentes;

d) não se encontrando verificado nenhum dos critérios de materialidade previstos nas alíneas anteriores, (i) tenham um valor económico superior a 1 milhão de euros ou (ii) sejam consideradas relevantes para este efeito pelo órgão de administração, em virtude da sua natureza ou da sua especial suscetibilidade de configurar uma situação de conflito de interesses.

 

O Conselho de Administração encontra-se vinculado a submeter à apreciação prévia da Comissão de Auditoria as transações significativas com partes relacionadas32. Com efeito, as transações consideradas significativas estão sujeitas a parecer prévio da Comissão de Auditoria, enquanto as restantes estão sujeitas apenas a apreciação subsequente.

Por outro lado, nos termos do regulamento interno do Conselho de Administração, as transações com partes relacionadas cujo montante exceda 500 mil euros ou, independentemente do montante, qualquer transação que possa ser considerada como não sendo executada com base em condições de mercado são matéria não delegável na Comissão Executiva.

Atendendo aos critérios supramencionados – previstos no regulamento do Conselho de Administração e no regulamento interno sobre apreciação e controlo de transações com partes relacionadas e prevenção de situações de conflito de interesse –, durante o ano de 2015 verificaram-se duas transações comerciais significativas com partes relacionadas, as quais foram sujeitas a controlo prévio pela Comissão de Auditoria, conforme melhor descrito infra em I.90.

1 Cfr. alínea i) do n.º 2 do artigo 25.º do Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de fevereiro (na sua redação atual), bem como alínea b) do n.º 3 do artigo 20.º-A e alínea h) do n.º 3 do artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 30/2006, de 15 de fevereiro (na sua redação atual).
2 A ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos notificou a REN no dia 4 de agosto de 2015 relativamente à decisão de verificar cumpridas as condições de certificação que havia determinado a 9 de setembro de 2014, tornando-se efetiva a decisão de certificação.
3 Os direitos de voto inerentes às ações da REN detidas pela Gestmin são igualmente imputáveis a Manuel Carlos de Melo Champalimaud, detentor do controlo da Gestmin.
4 A Fidelidade – Companhia de Seguros, SA é detida em 84,9861% do seu capital social e dos seus direitos de voto pela Longrun Portugal, SGPS, SA (Longrun), a qual é por sua vez integralmente detida pela Millennium Gain Limited, que é detida a 100% pela Fosun Financial Holdings Limited, sociedades às quais são imputáveis as mencionadas participações. Em 11 de fevereiro de 2015, a Fidelidade informou a REN ter sido atingida uma participação de 5,008% no capital e direitos de voto da REN, nos termos melhor descritos em: http://web3.cmvm.pt/ sdi2004/emitentes/emit_part.cfm?num_ ent=%24%21%24%3FT%23%40%20%20%0A
5 A Longrun detém, igualmente, 80% do capital social da Fidelidade Assistência – Companhia de Seguros, S.A.
6 A Longrun detém, igualmente, 80% do capital social da Multicare – Seguros de Saúde, S.A.
7 Compreende as ações dos membros do órgão de administração ou fiscalização da REN, assim como, se aplicável, (i) do cônjuge não separado judicialmente, seja qual for o regime matrimonial de bens; (ii) dos descendentes de menor idade; (iii) das pessoas em cujo nome as ações se encontrem, tendo sido adquiridas por conta do membro do órgão de administração ou fiscalização ou das pessoas referidas em (i) e (ii); e (iv) as pertencentes a sociedade de que o membro do órgão de administração ou fiscalização e as pessoas referidas em (i) e (ii) sejam sócios de responsabilidade ilimitada, exerçam a gerência ou cargos de administração ou fiscalização ou possuam, isoladamente ou em conjunto com pessoas referidas em (i) a (iii), pelo menos metade do capital social ou dos votos correspondentes a este.
8, 9, 10 Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
11, 12 Cessou funções em 17 de abril de 2015, pelo que a informação disponível é por referência a essa data.
13 Compreende as seguintes ações: (i) 10 000 ações detidas diretamente e (ii) 250 ações detidas pelo cônjuge. Cessou funções em 17 de abril de 2015, pelo que a informação disponível é por referência a essa data.
14 Cessou funções em 17 de abril de 2015, pelo que a informação disponível é por referência a essa data.
15, 16 Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
17 Guangchao Zhu é presidente, CEO e membro do Conselho de Administração da SGID e Administrador da SGEL, que detêm uma participação qualificada correspondente a 133 500 000 ações da REN. Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
18, 19 Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
20 Cessou funções em 17 de abril de 2015, pelo que a informação disponível é por referência a essa data.
21 Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
22 Compreende 32 040 000 ações, 280 000 ações detidas diretamente e as restantes detidas pela acionista Gestmin, as quais, em virtude do exercício da função de presidente do órgão de administração dessa sociedade e da detenção da maioria do respetivo capital social, lhe são imputáveis. Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
23 Corresponde às ações detidas pela Red Eléctrica Corporación, S.A., as quais lhe são imputáveis para efeitos do artigo 447.º do CSC, em virtude do exercício do cargo de presidente do órgão de administração dessa sociedade. Cessou funções em 17 de abril de 2015, pelo que a informação disponível é por referência a essa data.
24 Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017. Compreende 480 acões detidas directamente e as restantes detidas pela sociedade Platinumdetails – Consultoria e Investimentos, Lda, na qual detém 68% do capital social.
25 Corresponde às ações detidas pela Oliren, SGPS, S.A., as quais lhe são imputáveis para efeitos do artigo 447.º do CSC, em virtude do exercício do cargo de membro do órgão de administração dessa sociedade. A sociedade Oliren – SGPS, S.A., acionista com participação qualificada e entidade relacionada com Francisco João Soares de Oliveira, Vogal do Conselho de Administração da REN, para efeitos do artigo 2.º do Regulamento 5/2008 da CMVM, comunicou que em virtude da alienação resultante do lançamento de uma oferta particular de ações, através de um processo de accelerated bookbuilding, de um total de 26 700 000 ações ordinárias da REN, representativas de cerca de 5% do capital social da REN, concluído em 6 de novembro de 2015, a participação imputável diretamente à Oliren na REN foi reduzida, para uma percentagem inferior a 5% do capital social e dos direitos de voto da REN e que no dia 6 de novembro de 2015, após a conclusão da alienação mediante o processo de accelerated bookbuilding acima referido, a Oliren deixou de deter qualquer ação da REN. Francisco João Soares de Oliveira comunicou a sua renúncia ao cargo de administrador da REN em 25 de novembro de 2015, a qual produziu efeitos em 31 de dezembro de 2015.
26, 27 Eleito na reunião de assembleia geral realizada em 17 de abril de 2015, para o mandato correspondente ao triénio 2015-2017.
28 Correspondente às ações imputáveis à Fidelidade Companhia de Seguros, S.A., as quais lhe são lhe são imputáveis para efeitos do artigo 447.º do CSC, em virtude do exercício do cargo de membro do conselho de administração dessa sociedade.
29 Cfr. artigo 15.º do Contrato de Sociedade e ainda artigo 3.º do regulamento do Conselho de Administração.
30 A definição de parte relacionada nos termos deste regulamento inclui os titulares de participações qualificadas nos termos do artigo 20.º do Código VM.
31 Cfr. secção II, parágrafo I., p. 3.
32 Cfr. secção III, p. 3 e secção VI, p.5.